Parada de Trump. Tanques, um bebé insuflável e o Air Force One em voo rasante

Presidente dos Estados Unidos apelou a todos os americanos para se juntarem à festa em Washington D.C. para celebrar os 243 anos de independência dos EUA com uma muito desejada grande parada militar.
​​​​

Em julho de 2017, Donald Trump foi o convidado de honra do presidente Emmanuel Macron para assistir aos 14 de Julho em Paris. E a verdade é que depois de assistir ao desfile militar na capital francesa por ocasião do Dia Nacional de França, o presidente americano não escondeu a admiração: "Foi uma das melhores paradas militares que já vi", exclamou na altura.

Meses mais tarde surgia a notícia: Trump queria replicar na América a parada a que assistiu em França - mas em maior e melhor - no 4 de Julho, o dia da Independência. "Temos de tentar fazer melhor".

Ora se em 2018, o Departamento da Defesa travou os planos do presidente, alegando que os custos de meter tanques a desfilar pelo Mall em Washington seriam demasiado elevados, este ano Trump parece ter levado a sua avante. o que vai ser a maior celebração. "As pessoas vêm de longe hoje e amanhã para o que vai ser a maior celebração na história do nosso país, Saudação à América, um evento quer dura o dia todo no Lincoln Memorial, e que vai culminar com um voo em larga escala da maior e mais moderna força aérea do Mundo. Talvez até o Air Force One até faça um voo baixo sobre a multidão. Vai começar às 6:00 PM, mas cheguem mais cedo. Depois às 9:00 PM, um grande (para ser modesto) fogo-de-artifício. Vou falar em nome do nosso grande País", escreveu o presidente no Twitter.

Os planos de Trump para celebrar o 4 de Julho de 2019, em que se assinalam os 243 anos de independência dos EUA, têm sido alvo de críticas. O presidente prometeu encerrar as celebrações com um discurso sobre patriotismo e um desfile militar capaz de mostrar o poderia militar da América. Ora os críticos não lhe perdoam por estar a politicar um feriado nacional e por estar a desperdiçar o dinheiro dos contribuintes.

Trump defende-se afirmando que este é um desfile de orgulho nacional, que irá terminar com um enorme fogo-de-artifício sobre o memorial a Lincoln, num dos extremos do Mall, a alameda que atravessa a capital federal americana. Durante a parada, vai haver tanques a desfilar pela alameda, mas também estão previstos protestos contra o presidente dos EUA, com o balão insuflável em forma de bebé e à sua imagem, o chamado Baby Trump, a ter sido autorizado a voar nos céus de Washington.

Numa imagem raramente vista no Dia da Independência, outro protesto promete levar ao Mall um boneco de quase cinco metros chamado Dumping Trump que consiste num presidente americano sentado numa sanita dourada com o boné MAGA vermelho a dizer "Make America Great Again: Impeach Me" - um apelo direto à destituição do milionário.

Para os democratas, o presidente está a aproveitar o Dia da Independência para realizar um comício - afinal as presidenciais são só em novembro de 2020, mas a campanha já está lançada. Os críticos do presidente aproveitaram uma notícia do The Washington Post segundo a qual o National Park Service estaria a desviar 2,5 milhões de dólares de entradas destinadas a fazer melhorias nos parques nacionais para pagar a parada.

A parada começa às 18:00 locais (23:00 de Lisboa). Trump discursa às 21:00 (2:00 desta sexta-feira em Lisboa).

Mais Notícias