Mulher liga para o 112 a pedir uma pizza como forma de denunciar caso de violência doméstica

A encomenda de uma pizza foi o código usado por uma mulher americana quando ligou para a linha de emergência. O telefonista acabou por perceber a mensagem após a insistência da denunciante.

Uma mulher americana que presenciava um caso de violência doméstica, em que a mãe era a vítima, telefonou para a linha de emergência 911 (112 em Portugal) a encomendar uma pizza, para que o atacante não percebesse que estava a ser denunciado.

O caso passou-se na cidade de Oregon, no estado de Ohio, tendo o telefonista de atendimento do serviço começado por dizer que era engano, mas depressa percebeu que, afinal, se tratava de uma denúncia e que a mulher não podia falar claramente sobre a situação. Esta forma de denunciar este tipo de casos tem tido frequente nos Estados Unidos durante os últimos anos, mas a taxa de sucesso tem sido rara.

Tim Teneyck, o funcionário que atendeu a chamada, afirmou à estação de televisão ABC que inicialmente pensou que se tratava de um engano, mas depois de ela insistir que estava a falar com quem queria, percebeu o que se estava a passar e acionou os mecanismos necessários para a detenção do agressor.

Para melhor se perceber a situação, eis a transcrição da conversa:

Tim Teneyck: Oregon 911.

Denunciante: Gostava de encomendar uma pizza para... [endereço não revelado].

Tim Teneyck: Ligou para o 911 para encomendar uma pizza?

Denunciante: Sim, sim. Para o apartamento [não revelado].

Tim Teneyck: Este é o número errado para quem quer encomendar uma pizza.

Denunciante: Não, não. Você não está a entender.

Tim Teneyck: Agora estou a perceber.

O telefonista foi então fazendo perguntas para que a mulher respondesse sim ou não e não corresse riscos.

Tim Teneyck: O homem ainda está aí?

Denunciante: Sim, eu preciso de uma pizza gigante.

Tim Teneyck: Está bem. E precisa de um médico?

Denunciante: Não. Com pepperoni.

Este é um caso muito semelhante ao utilizado numa campanha norueguesa de apoio às mulheres, realizada em 2010. E foi replicado por outra vítima, em maio de 2014, mas através de mensagens publicadas na rede social Reddit, que se tornou um anúncio do Superbowl, que abordava casos de violência doméstica.

Entretanto, Christopher Carver, diretor do centro de operações da Associação Nacional de Números de Emergência nos EUA, disse à agência Associated Press que a polícia não está treinada para este tipo de códigos, acrescentando que "as expectativas de que frases secretas funcionem como denúncia para os números de emergência são potencialmente perigosos". Nesse sentido, recomenda que as pessoas utilizem o serviço de SMS do 911 que, no entanto, não funciona em Oregon.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG