Modelo tinha desaparecido há um ano em Nova Iorque. Foi encontrada em favela do Rio

"O caso de Eloísa é uma tragédia", disse um amigo da família. Eloísa Pinto Fontes foi encontrada desorientada. Estaria a morar na rua. Está internada num centro psiquiátrico.

Tinha sido há pouco tempo que a carreira da manequim brasileira Eloísa Pinto Fontes, de 26 anos, começara a ganhar outra dimensão. Assinara contratos com a Armani e Dolce & Gabbana, mas entretanto desapareceu. Um ano depois de ser vista pela última vez em Nova Iorque, foi encontrada a vaguear numa favela do Rio de Janeiro.

Foi encontrada na terça-feira e a polícia disse que quem a localizou foram agentes do Morro do Cantagalo, em Ipanema, na zona sul da cidade.

Devido ao seu estado psicológico, foi encaminhada para um centro psiquiátrico, onde permanece internada.

A Secretaria Municipal de Saúde do Brasil informou que os detalhes de sua condição não serão divulgados publicamente.

O que os media brasileiros contam é que a manequim moraria na rua. Francisco Assis, citado pelo jornal ABC, diz não ter explicação para o sucedido. Eloísa Pinto Fontes é mãe de uma menina de sete anos, tem oito irmãos e foi casada com um antigo modelo e produtor russo. "Os agentes salvaram uma pessoa que estava na rua e que corria o risco de morrer", disse o amigo da família.

"O caso de Eloísa é uma tragédia", acrescentou Francisco Assis, que aproveitou para deixar um alerta a outras famílias: "É uma menina que saiu de casa aos 17 anos depois de vencer um concurso de beleza, emancipa-se e cai no mundo sem guia ou alguém para aconselhá-la. Acho que existem outras jovens modelos como Eloísa por aí e as famílias precisam de estar vigilantes."

Até agora, não se conhecem os pormenores sobre como Eloísa Pinto Fontes apareceu a milhares de quilómetros de Nova Iorque, um ano depois de desaparecer na cidade norte-americana, e totalmente desorientada.

É a segunda vez que ia situação acontece. A primeira vez que a modelo desapareceu, foi encontrada cinco dias depois e estava a apenas 14 quilómetros de casa.

Mais Notícias