Malásia sugeriu às mulheres falar num tom doce para evitar discutir com o marido

O governo já pediu desculpas pelas recomendações dirigidas às mulheres para garantir "harmonia em casa", que foram consideradas sexistas.

O Governo da Malásia pediu desculpas após reações contra recomendações consideradas sexistas dirigidas às mulheres durante o período de confinamento devido à pandemia de covid-19, que já causou 45 mortes e 2908 infetados no país.

Os conselhos, publicados segunda-feira pelo Ministério da Malásia para o Desenvolvimento da Mulher e da Família, visavam manter uma relação positiva no ambiente familiar e de trabalho, segundo os autores. O governo decretou o confinamento no país a partir de dia 18 de março.

Sob o lema "Kebahagiaan Rumahtangga" (Harmonia em casa), foram sugeridas às mulheres comportamentos para evitarem discussões com os maridos, tal como rir timidamente ou falar em um tom doce, semelhante ao do popular personagem de manga Doraemon, um gato robô. As mulheres deviam evitar chatear ou queixar-se e eram aconselhadas a usar maquilhagem.

"Se o seu marido realiza uma tarefa [doméstica] de uma maneira que não gosta, evite incomodá-lo" ou "conte de 1 a 20 antes de discutir", são algumas dicas da lista mencionadas, que foram apagadas um dia após a sua publicação.

Muitos malaios criticaram os conselhos nas redes sociais, apelidando-os de sexistas, fizeram com que o ministério emitisse um pedido de desculpas na noite de terça-feira.

"Pedimos desculpas se houve conselhos inadequados e se ofendemos as sensibilidades de certos grupos. Seremos mais cuidadosos no futuro", pode ler-se numa declaração publicada terça-feira à noite nas redes sociais.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 828 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 41 mil.

Dos casos de infeção, pelo menos 165 mil são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Mais Notícias