Mais de 30 crianças sírias violadas em campo de refugiados turco

Abusos prolongaram-se durante três meses e foram feitos por um funcionário do campo

Mais de trinta crianças sírias, com idades entre os oito e os 12 anos, foram vítimas de abusos sexuais e violações por parte de um funcionário de um campo de refugiados na Turquia, noticia hoje o jornal BirGun.

Os abusos prolongaram-se durante um período de três meses, no ano passado, no campo de refugiados turco de Nizip, na zona de Gaziantep, perto da fronteira com a Síria.

Fontes militares disseram ao jornal de Ancara que as suspeitas levaram os soldados a descobrir os factos que foram depois denunciados às autoridades judiciais, em setembro de 2015.

Altas patentes militares classificaram os acontecimentos como "um desastre" e responsabilizaram a Agência Estatal de Emergência (AFAD), que gere o campo, pelos abusos sexuais e violações dos menores.

Os militares começaram a suspeitar do comportamento do violador, identificado pelo jornal com as siglas E.E., porque levava crianças para zonas do campo que não estavam protegidas pelo sistema de videovigilância.

O homem, funcionário da limpeza do campo, confessou os abusos e violações, adiantando que oferecia às vítimas entre 45 cêntimos a um euro para manterem silêncio.

Apenas oito famílias denunciaram os abusos, sendo que, de acordo com o jornal, as restantes famílias mantiveram-se em silêncio por recearem represálias.

No acampamento, situado a 50 quilómetros da fronteira síria, encontram-se cerca de 14 mil pessoas que fugiram da guerra na Síria.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG