Magistrada vai ser designada Presidente por alguns meses

A magistrada Alicia Pucheta, 68 anos, vai assumir provisoriamente a Presidência do Paraguai, uma situação inédita no país sul-americano onde o acesso das mulheres a cargos de liderança é dos mais fracos da América latina.

Na qualidade de vice-Presidente, vai concluir o mandato do Presidente Horacio Cartes (2013-2018), que se demitiu antes de concluir o quinquénio.

Em 15 de agosto, Mario Abo Benítez, eleito para a chefia do Estado em 22 de abril, assumirá as suas funções.

Horacio Cartes oficializou hoje uma decisão sem surpresa, após anunciar em março a intenção de encurtar o seu mandato, para assumir o cargo de senador.

O parlamento deverá confirmar a sua demissão na quarta-feira, e proclamar Alicia Pucheta a nova Presidente

Horacio Cartes e os restantes parlamentares eleitos no escrutínio de 22 de abril devem prestar juramento em junho.

Opositora da legalização do aborto, Pucheta provém do Partido Colorado, a formação de direita no poder há décadas no país, e de uma família de magistrados.

Desirée Masi, senadora do Partido Democrático Progressista (PDP, oposição), citada pela agência noticiosa France-Presse, não vê na ascensão de Pucheta um avanço para as mulheres no seu país.

"Uma mulher que demonstrou a sua submissão absoluta ao poder instalado, que não nos representa", disse.

"Cartes utilizou a figura da mulher para dissimular as manobras por detrás da sua nomeação para as funções de senador", acrescentou.

"Um dia, uma mulher chegará ao poder como deve fazê-lo, pelas urnas", sublinhou ainda.

Pelo contrário, Lilian Samaniego, uma senadora do Partido Colorado, saudou a designação da magistrada, ao referir que Alicia Pucheta "pode tornar-se, e isso será histórico, a primeira mulher a ocupar a Presidência do Paraguai".

Na sua perspetiva, servirá de exemplo e "vai motivar as mulheres paraguaias para continuarem a lutar por uma igualdade real de oportunidade com os homens".

O parlamento paraguaio inclui apenas oito senadoras para 45 lugares no Senado, e 11 deputadas entre os 80 membros do parlamento.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG