Maduro exilado em Portugal? Questão "hoje não se põe" mas seria analisada "com muito cuidado"

Augusto Santos Silva disse que Portugal apoia a amnistia prometida pela Assembleia Nacional da Venezuela às personalidades do regime.

O ministro português dos Negócios Estrangeiros disse esta quinta-feira que a questão de Portugal poder ser um país de exílio para Nicolas Maduro não se põe neste momento, mas, caso seja exposta, será objeto de análise "com muito cuidado".

"Portugal apoia aquela que já é uma decisão da Assembleia Nacional da Venezuela que é decretar uma amnistia. Entendemos que justamente um dos componentes que pode assegurar uma transição pacífica é nos atendermos também a sorte de todas as partes e encontrar soluções para as diferentes personalidades", explicou o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, em declarações hoje à agência Lusa, em Montevideu.

Por "personalidade" entendem-se os membros do regime bolivariano do Presidente Nicolás Maduro. Questionado pela agência Lusa se Portugal poderá receber Maduro num eventual asilo, o ministro disse que o assunto, caso seja exposto, será objeto de análise "com muito cuidado".

"Quanto a Portugal poder ser um país de exílio para Nicolás Maduro, essa questão hoje não se põe: Se se vier a colocar, nós examiná-la-emos com muito cuidado", referiu Santos Silva, que falava à Lusa no âmbito da primeira reunião do Grupo de Contacto Internacional (GCI), em Montevideu (Uruguai).

O objetivo declarado do grupo de Contacto Internacional é ajudar a Venezuela a encontrar uma saída pacífica e democrática para a crise, através de eleições presidenciais. Os países querem contribuir para a criação das condições para esse processo, o que poderia supor criar também uma "via de escape" para Nicolás Maduro, que poderia pedir asilo a algum país.

Nesta primeira reunião ministerial do designado Grupo de Contacto Internacional, a UE está representada pela chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, e por oito Estados-membros do bloco comunitário (Portugal, Espanha, Itália, França, Alemanha, Reino Unido, Holanda e Suécia).

Pelo lado dos latino-americanos, está o anfitrião Uruguai, além de Equador, Costa Rica e Bolívia.

O México seria o quinto país da região. Convocou a reunião, participa do encontro, mas decidiu não integrar o grupo.

A tensão política na Venezuela agravou-se em 23 de janeiro, quando o presidente da Assembleia Nacional (parlamento), Juan Guaidó, se autoproclamou Presidente interino da Venezuela e declarou que assumia os poderes executivos de Nicolás Maduro.

Após a sua autoproclamação, Guaidó, de 35 anos, prometeu formar um governo de transição e organizar eleições livres. Contou de imediato com o apoio dos Estados Unidos e tem vindo a ganhar o reconhecimento de vários países, nomeadamente de Portugal.

Nicolás Maduro, de 56 anos, chefe de Estado desde 2013, denunciou a iniciativa do presidente do parlamento, no qual a oposição tem maioria, como uma tentativa de golpe de Estado liderada pelos Estados Unidos da América.

A crise política na Venezuela, onde residem cerca de 300.000 portugueses ou lusodescendentes, soma-se a uma grave crise económica e social que levou 2,3 milhões de pessoas a fugirem do país desde 2015, segundo dados da Organização das Nações Unidas (ONU).

Mais Notícias

Outras Notícias GMG