Lula: "Acho que o Moro foi picado pela mosca azul"

Ex-presidente faz referência ao animal cuja picada enche os humanos de ambição. Relativiza deserção do PMDB e diz que é preciso mudar humor do país antes de mudar economia

Lula da Silva considera Sérgio Moro competente, inteligente e a prestar um grande serviço à democracia brasileira mas recorreu a uma metáfora para afirmar que o juiz que conduz a Operação Lava-Jato e autorizou a divulgação das suas escutas está deslumbrado com o poder. Numa entrevista concedida a correspondentes internacionais em São Paulo, o ex-presidente e, talvez, futuro ministro da Casa Civil de Dilma Rousseff desdramatizou a crise do governo com a mais que provável saída do maior aliado, o PMDB, a partir de hoje.

"Tudo o que sei do juiz Moro é que ele é inteligente e competente mas como ser humano parece que foi picado pela mosca azul [segundo a lenda, a que um poema de Machado de Assis faz referência, quem é picado pela mosca azul é consumido por uma ambição sem limites]", disse Lula. "Acho que ele está cumprindo um papel extraordinário para a democracia brasileira mas a divulgação de conversas privadas foi deprimente, pobre, de má-fé, o objetivo foi destruir a minha imagem."

As escutas terão contribuído para que Lula, logo após ser nomeado braço direito da sucessora Dilma Rousseff no governo, tenha visto a posse suspensa. Critica, pelo facto, o PSDB, principal partido da oposição, e também o juiz do Supremo Gilmar Mendes, que deu andamento a uma queixa dos tucanos, membros do PSDB, em tempo recorde. "Nunca pensei que os tucanos se fossem queixar ao Gilmar Mendes, pensei que fossem fazer discursos e criticar mas irem diretos pedir ao Gilmar Mendes para vetar... e foi o veto mais rápido possível", disse.

O juiz Gilmar Mendes, considerado hostil a Lula, participará a partir de hoje em Lisboa num seminário na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, ao lado de Aécio Neves e José Serra, dois presidenciáveis do PSDB.

Essa hostilidade latente no país prejudica a economia, diz Lula, para quem é preciso "mudar o humor do Brasil para mudar a economia". "Se você mudar o humor do país, no dia seguinte muda a economia, a sociedade está muito azeda." Mas o clima de tensão nas ruas, onde o ex-presidente costuma aparecer em forma de boneco insuflável e vestido de presidiário, no que foi chamado de "pixuleko", não o incomoda. "Quem enche pixuleko nunca votou no PT mesmo..."

"Deixem a Dilma governar"

Sobre a crise no governo com a iminente deserção do PMDB recorreu à história recente para relativizar. "Quando eu ganhei as eleições em 2003, num primeiro momento o PMDB também não me apoiava mas uma parte, quer do PMDB da Câmara quer do PMDB do Senado, sim, e eu consegui governar. No segundo mandato tive o apoio do PMDB formal mas não todo, diretórios de alguns estados não me quiseram apoiar. Acho que vai acontecer neste caso o mesmo que aconteceu em 2003, vamos conseguir fazer uma base parlamentar mas sem o acordo da direção."

Lula vai agora conversar com dirigentes peemedebistas, incluindo Michel Temer, o presidente do partido e vice-presidente de Dilma. "Vou conversar com muita gente, não sei se os ministros do PMDB no governo saem ou não, vejo com tristeza a situação, claro, mas temos de fazer uma espécie de junta médica agora para não "chutar" coisas para o ar sem sabermos."

E sobre o impeachment disse que "vai prevalecer o bom senso, deixem esta mulher governar o país, ainda não o deixaram desde as eleições, ninguém é obrigado a gostar dela mas ela foi eleita..."
Para já, em Brasília, os deputados do PR, do PP, do PSD e de outras nove forças políticas indecisas entre o governo e a oposição valem o seu peso em ouro para PT e PMDB, que correm a apaparicá-los, como se fossem obras de arte preciosas em leilão, na véspera da rutura anunciada entre ambos e a mais ou menos uma semana de ser votada a destituição ou continuidade da presidente e consequente subida à chefia de Estado ou não do vice Michel Temer.

Em São Paulo

Mais Notícias

Outras Notícias GMG