Juncker diz que não existe "nova cortina de ferro" e não gostou do Brexit

Presidente da Comissão Europeia diz que "ainda há equívocos" em torno do conceito de uma União Europeia a várias velocidades. Diz ainda que espera que o Reino Unido volte a entrar no "barco"

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, assegurou esta sexta-feira que uma União Europeia (UE) a várias velocidades não significa uma "nova cortina de ferro", mas sim organizar o progresso dos que querem fazer mais.

Juncker considerou que "ainda há equívocos" em torno do conceito de uma UE a várias velocidades e que "não significa exclusão, é um modo de organizar o progresso dos que querem fazer mais".

"Alguns dos nossos colegas veem-no como a introdução de uma nova linha divisória, como uma nova cortina de aço entre o leste e o oeste, mas não é essa a intenção", sublinhou Juncker, em conferência de imprensa.

Por seu lado, o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, salientou que "o melhor mote do que se passou na sala foi 'se querem ir depressa, vão sozinhos, se querem ir longe, vão juntos'".

Os líderes da UE estiveram hoje informalmente reunidos a 27, sem a primeira-ministra britânica, para preparar a Declaração de Roma, com que assinalam os 60 anos do Tratado de Roma, no dia 25.

Jean-Claude Juncker, disse ainda esperar que o Reino Unido regresse um dia à União Europeia (UE), apesar de se preparar para formalizar o divórcio que levará dois anos a concluir.

"Não gostei do 'Brexit' porque gostava de estar no mesmo barco que os britânicos e espero que ainda chegue o dia em que voltem a entrar no barco", disse Juncker, no final de uma reunião informal a 27, sem a presença da primeira-ministra britânica, Theresa May.

"A questão do 'Brexit' encoraja os outros [estados-membros] a continuar" considerou ainda o líder do executivo comunitário, salientando que "o 'Brexit' não é o fim".

O Reino Unido deverá invocar este mês o Artigo 50.º do Tratado de Lisboa, que permite a um Estado-membro abandonar a UE, devendo as negociações estar concluídas em dois anos.

O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, adiantou já que deverá haver uma cimeira extraordinária, em abril, para lançar o debate sobre o 'Brexit'.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG