Juiz manda Hillary Clinton responder a perguntas por escrito sobre os emails

Mensagens de correio eletrónico foram enviadas ou recebidas através de um servidor privado e não de uma conta governamental

Um juiz federal norte-americano ordenou à candidata democrata presidencial norte-americana, Hillary Clinton, para responder por escrito a perguntas do grupo conservador Judicial Watch sobre a utilização de um servidor pessoal de correio eletrónico enquanto era secretária de Estado.

A controvérsia sobre os 'emails' baseia-se no facto de mensagens de correio eletrónico terem sido enviadas ou recebidas através de um servidor privado e não de uma conta governamental durante os quatro anos em que Hillary Clinton foi chefe da diplomacia norte-americana, até 2013.

A decisão judicial é descrita como uma vitória para o grupo Judicial Watch, que tinha pedido para interrogar Clinton sob juramento.

O grupo Judicial Watch tem agora até 14 de outubro para apresentar perguntas por escrito a Hillary Clinton, que por sua vez vai dispor de 30 dias para responder.

Um porta-voz da equipa de Clinton, Brian Fallon, afirmou que a ação do Judicial Watch "visava apenas prejudicar a campanha" da ex-primeira dama.

No início de julho, a polícia federal norte-americana (FBI) recomendou que a potencial candidata democrata nas eleições presidenciais nos Estados Unidos não seja investigada judicialmente por ter enviado os seus 'emails' através de um servidor privado quando assumia a liderança do Departamento de Estado (2009-2013).

Apesar da recomendação, o FBI concluiu que a antiga chefe da diplomacia norte-americana demonstrou "extrema negligência".

O parecer entregue à justiça pela polícia federal norte-americana considerou "que não se impõe qualquer processo" criminal, referiu em declarações aos jornalistas o diretor do FBI, James Comey, ao anunciar o fim das sensíveis investigações conduzidas pelos serviços da polícia federal e que poderiam comprometer a corrida de Hillary Clinton à Casa Branca.

Diversas mensagens de correio eletrónico enviadas por Clinton através de um servidor privado estavam classificadas como "secretas" e pessoas mal-intencionadas poderão teoricamente ter tido acesso, precisou o responsável do FBI.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG