Joe Biden pede paciência enquanto aguarda resultados: "Vamos ganhar esta eleição"

O candidato democrata às presidenciais dos Estados Unidos apelou à união neste período de impasse devido à demorada contagem dos votos.

O candidato democrata à Casa Branca Joe Biden reconheceu que ainda não ganhou as eleições presidenciais, mas os números indicam que terá uma "vitória clara e convincente".

"É tempo de nos unirmos", declarou o ex-vice-Presidente de Barack Obama, numa breve intervenção em Wilmington, no estado do Delaware, no nordeste do país, enquanto continuam sem serem conhecidos os resultados finais do escrutínio realizado na terça-feira.

"Devemos ultrapassar a cólera", acrescentou, e prometeu também trabalhar, a partir do "primeiro dia" na Casa Branca para combater a pandemia da covid-19, que já causou um total de mais de 236 mil mortos e de mais de 9,7 milhões de casos no país.

"Caros americanos, continuamos sem ter uma declaração final de uma vitória, mas os dados oferecem um quadro claro e convincente: vamos ganhar esta eleição", declarou, mostrando-se confiante e a pedir paciência, tal como na véspera.

Joe Biden, de 77 anos, sublinhou o avanço na contagem a seu favor nas últimas 24 horas, e afirmou que ia ganhar nos estados da Pensilvânia e na Geórgia. "Ganhámos no Arizona. Ganhámos no Nevada", acrescentou.

Biden salientou que "não está à espera para começar a trabalhar", tendo mantido reuniões, juntamente com a senadora Kamala Harris, candidata a vice-Presidente, sobre a situação da covid-19 e a economia no país. "Não temos mais tempo a perder com guerras partidárias", sublinhou, dirigindo-se a milhões de norte-americanos desempregados e com dificuldados em pagar a renda ou comprar comida.

Até agora, nenhum dos dois candidatos, Biden ou Donald Trump, candidato republicano e atual presidente, atingiram os 270 votos do Colégio Eleitoral necessários para ser declarado vencedor.

Trump, que denunciou a existência de fraudes eleitorais, sem apresentar quaisquer provas, apresentou ações judiciais nos estados da Pensilvânia, do Michigan e da Geórgia para invalidar votos em Joe Biden e anunciou também que ia recorrer ao Supremo Tribunal.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG