"Outra vez não!" Encontrado o corpo de Julen após 13 dias de buscas

Corpo do menino de dois anos foi localizado à 1.25 (hora de Espanha). Pais reagiram com desespero, gritando "Outra vez não!", numa referência ao outro filho de três anos que perderam há alguns anos. Este sábado, a cidade de Málaga dá início a três dias de luto.

Julen foi localizado na madrugada deste sábado, 13 dias depois de ter caído no poço da serra de Totalán.

A emergência médica espanhola, que localizou a criança de dois anos, acionou os procedimentos legais para o levantamento do corpo, relata o jornal El Pais. A família foi avisada minutos antes.

A notícia foi confirmada, via Twitter, por um representante do governo da Andaluzia, Alfonso Rodríguez Gómez de Celis. "Infelizmente, à 1:25 desta madrugada, as equipas de resgate acederam ao ponto do poço onde se procurava Julen e localizaram o corpo sem vida do pequeno. Foi ativada a comissão judicial. As minhas condolências e pêsames à família."

Refugiados numa vivenda de Totalán, os pais de Julen reagiram com desespero à notícia. Segundo o El Mundo ouviram-se gritos de "Outra vez não!", numa referência ao outro filho, de três anos, que perderam há uns anos.

Mais de 300 pessoas - entre mineiro, engenheiros e outros especialistas - estiveram envolvidas no resgate de Julen.

A criança de dois anos caiu num furo de prospeção de água de cerca de 100 metros de profundidade e 25 centímetros de largura na tarde de domingo, dia 13. A família dava um passeio pela serra junto da propriedade de uns familiares quando o acidente aconteceu.

As últimas horas do resgate

Esta semana, os encarregados da Junta de Andalucía, da Guarda Civil e do serviço de emergência 112 destacaram a energia e o compromisso de todo o pessoal envolvido no resgate de Julen. A equipa operacional contou com a unidade especializada em explosivos da Guarda Civil, que estava preparada para, se necessário, devido à dureza do solo, realizar pequenas explosões controladas que quebrem o material e facilitem a perfuração.

Já a poucos centímetros do corpo, as rochas encontradas no túnel obrigaram a uma quarta mini-explosão controlada. Ao início da madrugada, os mineiros tentavam escavar os últimos centímetros até ao local onde se acreditava que estava a criança, que caiu num buraco em Málaga há 13 dias. A quarta mini-explosão controlada desta operação de resgate obrigou a "extrema precisão", devido à proximidade do local onde estava Julen. Um trabalho que durou cerca de duas horas.

Na tarde desta sexta-feira, os mineiros avançavam a bom ritmo e estavam a 45 centímetros do poço, quando novas rochas duras, que tinham sido encontradas ao longo do túnel com mais de 70 metros, ditaram que os TEDAX tivessem de entrar de novo em ação.

Entretanto, ainda no fim da tarde desta sexta-feira, o pai de Julen teve de receber assistência médica de emergência, após uma crise de ansiedade, segundo informa o Diario Sur.

O delegado do Governo na Andaluzia, Alfonso Rodríguez Gómez de Celis, admite que esta é "uma situação extrema, sem precedentes".

Este sábado, às 11:00, de acordo com a agência EFE, está marcado um minuto de silêncio em memória do pequeno Julen, dando início aos três dias de luto oficial na cidade.

O tribunal de instrução n.º 9 de Málaga abriu entretanto um processo para saber as circunstâncias exatas em que a criança caiu no domingo, 13 de janeiro, no poço de um terreno privado nos arredores de Totalán. As diligências estão a ser feitas depois de recolher declarações dos pais do menor, o dono do terreno e a pessoa que abriu o poço no mês de dezembro.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG