Itália: Coligação de governo em desacordo sobre o conceito de família

O ministro da Família, da Liga Norte, quer impedir as adoções por casais do mesmo sexo. A presidente da câmara de Turim garante que vai continuar a reconhecer-lhes esse direito

Lorenzo Fontana, o ministro que a Liga Norte nomeou para a pasta da Família pretende impedir os casais do mesmo sexo de legalizarem a adoção de crianças por via de gestação de substituição no estrangeiro.

Esta quinta-feira, no parlamento, o ministro explicou a sua objeção: "A lei de família atual não pode deixar de ter em conta o que tem acontecido nos últimos meses em material de reconhecimento da paternidade, com o registo de crianças concebidas no estrangeiro por casais do mesmo sexo que usam práticas que estão banidas pelas nossas leis, e devem continuar a sê-lo."

"Enquanto eu for ministro, gâmetas à venda e barrigas de aluguer não vão existir na prática - são crimes"

No mês passado, o mesmo ministro afirmou que "não existem" pais do mesmo sexo. Matteo Salvini, o vice-primeiro-ministro italiano, disse mais ou menos o mesmo. Para o líder da Liga Norte, as crianças têm direito a ter "um pai e uma mãe". "Por isso, enquanto eu for ministro, gâmetas à venda e barrigas de aluguer não vão existira na prática - são crimes", considerou Salvini.

Mas no governo, em coligação com a Liga Norte, está o 5 Estrelas. E a opinião desse partido é muito diferente. Aliás, é governada pelo 5 Estrelas a primeira cidade italiana a legalizar o registo, por casais do mesmo sexo, de crianças nascidas em gestação de substituição - Turim.

"Estamos orgulhosos por sermos a primeira cidade italiana a garantir a casais homossexuais que são reconhecidos como pais"

Chiara Appendino, a autarca de Turim, reagiu às declarações do ministro da Família: "Estamos orgulhosos por sermos a primeira cidade italiana a garantir a casais homossexuais que são reconhecidos como pais. Continuaremos o nosso caminho, para garantir às crianças o direito a uma família onde o amor é o único requerimento necessário."

Não há nenhum sinal de que esta divisão pode ter algum impacto na solidez do acordo de governo. Mas as visões diametralmente opostas dos partidos são claras.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG