Incêndios já provocaram 24 mortos. Centenas de casas destruídas

Os incêndios florestais no sudeste da Austrália provocaram mais um morto e obrigaram à retirada de milhares de pessoas causando "danos consideráveis".

Centenas de propriedades foram destruídas pelas chamas e um homem morreu por insuficiência cardíaca em Nova Gales do Sul, indicou, em conferência de imprensa, a chefe de governo de Nova Gales do Sul, Gladys Berejiklian.

Pelo menos 24 pessoas morreram desde setembro na sequência dos incêndios florestais que estão a devastar o país.

"Estamos em território desconhecido", afirmou Berejiklian, após um sábado marcado por fortes ventos e temperaturas acima dos 40 graus Celcius em três estados.

"Nunca vivemos isto antes", vincou Berejiklian, advertindo: "Muitas aldeias que nunca tinham sido ameaçadas por incêndios florestais estão em perigo de ser completamente destruídas".

Em menos de uma semana, cerca de 500 casas foram destruídas pelas chamas no sudeste do país, na sua maioria em Nova Gales do Sul, elevando para mais de 1500 o número total de casas destruídas desde setembro, com prejuízos avaliados em 268 milhões de euros.

A oeste de Sydney, no subúrbio de Penrith, os termómetros chegaram aos 48,9 graus Celcius neste sábado - 4 de janeiro.

A cidade mais populosa da Austrália, com de cinco milhões de habitantes, está a sofrer cortes de energia após duas subestações terem sido destruídas pelo fogo, enquanto as autoridades já pediram aos residentes que restrinjam o consumo de eletricidade.

Na capital, Camberra, a temperatura atingiu 44 graus, um valor sem precedentes, segundo um porta-voz do serviço meteorológico australiano.

O primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, cuja postura perante os incêndios tem sido criticada, convocou no sábado três mil militares na reserva para reforçar o combate aos incêndios que estão a devastar o país desde setembro.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG