Hong Kong vai proibir uso de máscaras nos protestos, manifestantes indignados

O Governo de Hong Kong vai avançar para a proibição do uso de máscaras, uma notícia que está a ser avançada pelos media locais e que já motivou uma reação de indignação por parte do movimento que tem liderado os protestos.

Num comunicado enviado à agência Lusa, a Frente Cívica de Direitos Humanos (FCDH) adverte que a intenção de proibir o uso de máscaras em manifestações representa a "abertura de um precedente" perigoso e uma violação das liberdades individuais.

O jornal South China Morning Post noticiou esta quinta-feira que o Governo de Carrie Lam deverá anunciar na sexta-feira a proibição de máscaras em protestos, através da aplicação de uma lei de emergência que remonta à época colonial.

Num comunicado enviado à Lusa, a FCDH, que lidera há quatro meses os maiores protestos na região, disse temer a "abertura de um precedente" que desafia o princípio de autonomia no território administrado pela China.

Para a FCDH, a proibição do uso de máscaras "viola a segurança pessoal e a liberdade de expressão" por parte das pessoas que as têm usado para se protegerem nos protestos.

Na opinião dos ativistas, que continuam a exigir a resposta a quatro das cinco reivindicações, o objetivo do Governo passa por "dissuadir os manifestantes da linha da frente".

"A arrogância do Governo terá definitivamente um pesado preço político", advertem.

Na mesma nota, os ativistas recorrem a episódios recentes do "abuso repetido das forças policiais" para sustentar a ideia de que é a polícia a única que deve ser "desmascarada".

Terça-feira, o dia em que se assinalaram os 70 anos da fundação da República Popular da China, foi um dos dias mais violentos desde o início das manifestações, há quase quatro meses, durante as quais a polícia tem sido acusada de usar excessiva força contra os manifestantes.

Nesse dia, um estudante de 18 anos foi alvejado com balas reais. Dois dias antes, uma jornalista indonésia foi alvejada com uma bala de borracha no olho.

Para acalmar a tempestade em Hong Kong, a organização apela ao Governo para que ouça a opinião pública e responda às exigências dos manifestantes.

Na origem da contestação, que se vive no território desde o início de junho, está uma polémica proposta de emendas à lei da extradição, já retirada formalmente pelo Governo de Hong Kong.

Contudo, os manifestantes continuam a exigir que o Governo responda a quatro outras reivindicações: a libertação dos manifestantes detidos, que as ações dos protestos não sejam identificadas como motins, um inquérito independente à violência policial e, finalmente, a demissão da chefe de Governo e consequente eleição por sufrágio universal para este cargo e para o Conselho Legislativo, o parlamento de Hong Kong.

A transferência da soberania da antiga colónia do Reino Unido para a China, em 1997, decorreu sob o princípio "um país, dois sistemas".

Tal como acontece com Macau, para Hong Kong foi acordado um período de 50 anos com elevado grau de autonomia, a nível executivo, legislativo e judicial, com o Governo central chinês a ser responsável pelas relações externas e defesa.

Mais Notícias