EUA já fretaram centenas de voos para deportação de imigrantes infetados

O Serviço de Imigração e Controlo de Fronteiras dos EUA (ICE) já fretou centenas de voos para deportação de imigrantes infetados com covid-19 desde o início da pandemia, segundo uma investigação do The New York Times e Projeto Marshall.

A investigação divulgada mostra que as condições de sobrelotação de alguns centros de detenção de imigrantes, a escassez de provas e a deportação que continua a acontecer desde março resultaram na propagação do novo coronavírus por parte do ICE, dentro e fora das fronteiras do Estados Unidos.

Segundo noticia a agência EFE, a investigação confirmou que centenas de deportados com covid-19 foram devolvidos aos seus países de origem desde março.

O ICE já deportou mais de 40 mil imigrantes, a maioria da América Central, onde se registaram casos de pacientes com covid-19 que foram transferidos para os seus países de origem apesar do risco de contágio.

Pelo menos quatro deportados entrevistados deram positivo para o novo coronavírus logo após regressarem aos seus países, como a Índia, Haiti, Guatemala e El Salvador.

Até o momento, a ICE confirmou cerca de 3 mil casos positivos de covid-19 nos seus centros de detenção civis em todo o país, apesar de a investigação mostrar que em muitos casos as pessoas deram positivo mais tarde, ou não foram testadas apesar de demonstrarem sintomas evidentes da doença.

O jornal New York Times investigou mais de 750 voos nacionais da ICE, além de outros 200 com destino a outros países, entre março e junho, a maioria para Guatemala, El Salvador e Honduras.

El Salvador e Honduras aceitaram mais de 6 mil deportados desde março, apesar das restrições impostas para evitar a propagação da pandemia.

Apenas a Guatemala manifestou o seu desacordo com Washington pelo facto de receber pessoas infetadas com covid-19.

O Governo liderado por Donald Trump pressionou os países de origem de deportação, com ameaças de restrições aos vistos, caso estes se opusessem aos voos de repatriação.

Até agora, cerca de 11 países confirmaram ter recebido deportados doentes com covid-19, muitos dos quais podem ter sido infetados devido às condições existentes nos centros de detenção nos Estados Unidos.

O ICE realiza testes aleatórios às pessoas que estão à espera de serem deportadas para outros países, fazendo apenas verificações gerais de controlo da temperatura.

A agência de imigração disse estar a seguir as diretrizes do Centro de Controlo de Doenças (CDC).

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 569 mil mortos e infetou mais de 13 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1.662 pessoas das 46.818 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG