Espanha já é o país com mais contágios na Europa ocidental

Grupo de especialistas pede investigação independente às falhas na resposta à pandemia. Número de contágios continua a aumentar e já há quem fale em segunda vaga.

A Espanha já é o país da Europa ocidental com mais casos de contágio de covid-19, segundo dados da universidade norte-americana Johns Hopkins. Nesta contabilidade a Espanha surge à frente do Reino Unido em número de casos, contando um total de 314.362 infetados, enquanto o Reino Unido regista 310.667. Uma diferença que, não sendo muito significativa, é ampliada pelo facto de os números britânicos se reportarem a uma população de 66,5 milhões de pessoas, enquanto o país vizinho tem 47 milhões de residentes, pelo que a percentagem de infetados é substancialmente superior.

Os países que se seguem são a França e a Itália, numa lista que é encabeçada pelos Estados Unidos, Brasil, Índia, Rússia e África do Sul.

Os números da pandemia em Espanha, que têm vindo a piorar nas últimas semanas, já levaram um grupo de especialistas a pedir uma investigação independente à resposta que foi dada à covid-19. Num texto publicado na revista de investigação médica The Lancet 20 especialistas, que o El País qualifica como representativos da elite científica do país, apontam erros como a falta de preparação dos sistemas de vigilância epidemiológica, a reação tardia por parte das autoridades nacionais e regionais, a lentidão nos processos de tomada de decisão, falta de coordenação, a grande mobilidade da população ou o envelhecimento, além da falta de preparação nos lares de idosos, que se transformaram em focos de contágio da covid-19.

Uma das impulsionadoras e subscritoras do documento é Margarita del Val, virologista do Centro de Biologia Molecular Severo Ochoa, que veio destacar a importância desta análise face ao contexto atual de aumento dos contágios, que considera tratar-se já de uma "segunda vaga" de covid-19, um cenário que as autoridades de saúde têm recusado.

Espanha tem, atualmente, 6900 casos ativos de covid-19, resultantes de 580 surtos ativos. O número tem vindo a aumentar substancialmente nas últimas semanas, com várias regiões do país a recuarem nas medidas de desconfinamento e a adotarem medidas mais restritivas para tentar travar o aumento de casos.

No dia de ontem o Ministério da Saúde espanhol registou 1895 infeções nas 24 horas anteriores, um novo máximo de casos diários que não contempla os dados de Aragão - que é precisamente a região que tem vindo a registar um maior aumento, na ordem dos 400 a 650 casos, diariamente, e que é já região europeia com maior incidência de casos. Segundo o El País, são 567 casos por 100.000 habitantes. A região tem, atualmente, quase 500 pessoas internadas (com uma média de idades acima dos 70 anos), cerca de quatro dezenas em cuidados intensivos. Na capital, Saragoça, já se aponta para transmissão comunitária. Apesar de ter apertado as restrições a 23 de julho, o número de contágios continua a aumentar significativamente.

A Catalunha é a segunda região autonómica mais afetada pela pandemia, com 152,7 casos por cada 100 mil habitantes nos últimos 14 dias, numa tendência crescente que já se vem verificando há cerca de um mês. As medidas de desconfinamento recuaram ainda em julho, com o governo regional a repor medidas restritivas em alguns bairros de Barcelona e em várias regiões. A região de Lérida chegou a ser posta novamente em confinamento, mas a medida foi revogada por um tribunal, que sustentou que isto só pode ser feito ao abrigo do estado de alarme.

Nos últimos números divulgados pelas autoridades espanholas, e sem considerar Aragão, Madrid é a região mais afetada, com 567 casos positivos, seguida pelo País Basco, com 403 novos casos.

Em Madrid já foi imposto o uso obrigatório de máscara, em espaços fechados e abertos. Os clientes devem deixar dados de identificação nos estabelecimentos que frequentarem, para que "possam ser rastreados rapidamente" casos positivos de covid-19.

Já este sábado foi decretado o isolamento de Villarta de los Montes, um município de Badajoz, na Extremadura, que regista 37 casos positivos numa população de 430 habitantes. Na origem do surto estará uma pessoa chegada de Madrid.

Neste panorama, Reino Unido e Alemanha já desaconselharam viagens não essenciais a Espanha.

Mais Notícias