Em Xinjiang, há habitantes algemados em casa para cumprir quarentena

Medidas apertadas na região chinesa, apesar de não haver novos casos há mais de uma semana

Moradores da capital da região de Xinjiang estão a ser forçados a ficar em casa, sendo algemados em prédios durante semanas como parte de uma série de medidas severas para combater o coronavírus, de acordo com publicações online relatadas pelo jornal inglês The Guardian.

Urumqi, capital da região semi-autónoma conhecida pelas suas medidas de segurança draconianas, está num "estado de guerra" de confinamento há mais de um mês após o surgimento de um conjunto de casos em julho, quando o surto havia sido contido em quase toda a China.

Desde sexta-feira, utilizadores da Internet inundaram as plataformas de redes social com reclamações sobre medidas excessivamente severas e quarentena prolongada em casa ou em locais designados, mesmo com o número de novos casos a diminuir. A cidade, que registou mais de 531 casos até meados de agosto, não registou nenhum novo caso nos últimos oito dias.

Os internautas locais reclamaram que foram acorrentados a prédios quando tentaram sair de casa. Um deles disse que foi mantido num centro de quarentena durante dois meses e necessitou tomar o medicamento Lianhua Qingwen, à base de ervas, que a China tem vindo a promover como tratamento para a covid-19. Um membro de uma família em Urumqi disse ao The Guardian que a sua família tomava o remédio todos os dias, mas não era forçada a tomá-lo.

Vídeos publicados online mostram alegadamente moradores a gritar de frustração nas janelas dos seus apartamentos. A autenticidade do vídeo não pôde ser verificada, mas um aviso, publicado online, num complexo residencial alertava que qualquer cidadão que tenha participado na atividade "estrondosa" a 23 de agosto cometeu um "ato ilegal".

"Os residentes devem fortalecer o seu senso de responsabilidade social para evitar que sejam usados ​​por pessoas com más intenções e levar a uma orientação errada da opinião pública", dizia o documento. Noutros posts podia ler-se que os moradores foram alertados de que tudo, desde a classificação de crédito social até a admissão dos filhos na escola, poderia ser afetado.

As autoridades em Xinjiang, que estão sob escrutínio por detenções em massa e vigilância de minorias muçulmanas, como os uigures, estão habituados a gerir a informação. Os utilizadores da Internet também publicaram avisos nos seus prédios a ordenar que todos os residentes parassem de usar ou excluíssem as suas contas do Weibo devido à "divulgação de informações incorretas". Hashtags relacionadas a Xinjiang e Urumqi aparentemente foram bloqueadas no fim de semana e alguns utilizadores alegaram que foram obrigados a postar mensagens positivas sobre a resposta da cidade à pandemia.

Ainda assim, foram enviadas imagens e publicações para Douban, outra rede social, assim como para o Twitter. "Quando as coisas chegam a um certo ponto, a voz do público não pode ser suprimida. Se estiver bloqueado num lugar, ele irá mover-se para outro. Se for bloqueado lá, mover-se-á novamente e novos caminhos serão encontrados. A memória coletiva não pode ser apagada", escreveu um utilizador no Weibo, num post que foi excluído posteriormente.

A imprensa estatal chinesa tentou pintar um quadro mais positivo esta segunda-feira, relatando que alguns bairros na cidade começaram a permitir que as pessoas deixassem as suas casas para "atividades ao ar livre". As autoridades locais em Urumqi teriam divulgado os seus números de telefone para "ouvir a ansiedade dos residentes e ajudar a resolver os seus problemas".

O jornal estatal Global Times disse que, ao contrário de cidades como Pequim ou Xangai, foram adotadas medidas extremas em Urumqi como resultado das "normas sociais em Xinjiang, onde as pessoas... gostam de sair à rua e reunir-se".

"Ao contrário das infeções por surtos em Pequim, para as quais foram adotadas medidas antiepidémicas precisas, ao isolar certas comunidades afetadas e deixar a maioria dos residentes viver normalmente, essas medidas não foram adotadas em Xinjiang", disse Zhang Yuexin, do grupo antiepidémico de Xinjiang, de acordo com o Global Times.

Mais Notícias