Donald Trump assina orçamento para 2020

O Presidente dos Estados Unidos assinou, na sexta-feira o orçamento administrativo para 2020 de 1,4 biliões de dólares (1,26 biliões de euros), 90 minutos antes do vencimento dos fundos disponíveis.

A proposta já tinha sido aprovada no Congresso norte-americano e no Senado, com o apoio dos democratas e republicanos. Agora, foi a vez Donald Trump assinar os diplomas, evitando assim um novo encerramento administrativo dos serviços públicos, como sucedeu no passado.

Esse pacote permite que o governo federal conceda fundos para o atual ano fiscal de 2020. Os atuais fundos expiravam à meia noite desta sexta-feira.

A proposta de orçamento de inclui um aumento de 22 mil milhões de dólares (20 mil milhões de euros) para o Pentágono e 1,375 mil milhões de dólares (1,233 mil milhões de euros) para a construção do muro com o México.

Essa verba para o muro é a mesma que o Congresso aprovou no ano passado que levou Trump a não assinar, impondo ao país uma longa paralisação administrativa, tendo depois declarado uma emergência nacional para desviar fundos de outras áreas.

Com a emergência nacional, o Governo reatribuiu ao muro cerca de 6,6 mil milhões (5,8 mil milhões de euros) do Pentágono e do Departamento do Tesouro, para a construção de 376 quilómetros de vedação.

Senadores democratas disseram na segunda-feira em comunicado que "se o Presidente escolher mais uma vez roubar fundos das tropas e das suas famílias para pagar o seu muro, essa é uma decisão que ele e os republicanos do Congresso terão que justificar às mulheres e homens que servem e protegem o país".

O orçamento para 2020 inclui 400 milhões de dólares (380 milhões de euros) para a Lei de Assistência de Emergência, Democracia e Desenvolvimento da Venezuela (VERDAD), promovida pelos senadores democrata Bob Menéndez e republicano Marco Rubio.

O novo pacote orçamental financia um orçamento recorde do Pentágono e inclui uma revogação dos impostos da era Obama em planos de saúde de alto custo bem como medidas de ajuda para os mineiros de carvão reformados.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG