Discursos de Hitler rendem milhares de euros em leilão, apesar das críticas da comunidade judaica

As notas manuscritas para os discursos de Hitler, antes da Segunda Guerra Mundial, renderam milhares de euros num leilão realizado em Munique. A comunidade judaica já teceu duras críticas acusando os promotores do negócio de encorajarem os neonazis.

Nove páginas, com notas que Adolf Hitler usou num discurso para novos oficiais militares, em Berlim, em 1939 - oito meses antes da Segunda Guerra Mundial -, foi vendido, esta sexta-feira, por 34 mil euros. Este foi um dos manuscritos do ditador nazi que estiveram hoje em leilão, na cidade de Munique. Todos os documentos foram vendidos por valores muito acima da base de licitação, apesar das críticas de grupos de judeus, que classificam este negócio "como um desafio à lógica, decência e humanidade".

Ainda antes do leilão, representantes da comunidade judaica lamentaram a venda deste tipo de documentos, que, consideram, só serve para encorajar neonazis.

"Não consigo perceber a pura irresponsabilidade e insensibilidade, num clima tão febril, de vender itens a licitadores como as divagações do maior assassino de judeus do mundo", afirmou, em comunicado, o rabino Menachem Margolin, diretor da Associação Judaica Europeia, referindo-se ao aumento do antissemitismo e dos crimes antissemitas na Alemanha e na Europa.

Os manuscritos renderam então milhares de euros, tendo sido adquiridos por licitadores que preferiram o anonimato. Uma comercialização das notas do ditador que levou a comunidade judaica a criticar a casa de leilão de Munique. "Leilões como este ajudam a legitimar os entusiastas de Hitler, que prosperam com este tipo de coisas".

Em sua defesa, a Hermann Historica, responsável pelo leilão, alegou que as notas manuscritas licitadas são anteriores à Segunda Guerra Mundial. Destaca a importância histórica dos documentos, que, considera, deviam ser preservados num museu ou doados a investigadores. Certo é que não se conhece a identidade de quem comprou os discursos do ditador alemão.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG