Detido norte-americano enfrenta o "corredor da morte" pela 2ª vez

O Supremo Tribunal do Ohio decidiu que o estado pode voltar a tentar executar Romell Broom, apesar de as autoridades terem falhado na primeira tentativa de execução.

A decisão foi anunciada esta quarta-feira e de acordo com o tribunal, Romell Broom pode mesmo voltar a levar uma injeção letal.

Romell Broom é acusado de ter violado e assassinado uma jovem de 14 anos em 1984.

O tribunal decidiu que, de acordo com a lei do Ohio, as autoridades podem voltar a tentar executar o prisioneiro, uma vez que a dose letal de drogas não chegou a ser injetada no organismo de Broom, na tentativa de execução em 2009.

Para William M. O"Neill, juiz do Supremo do Ohio, a descrição da execução é "arrepiante" e uma "crueldade". Várias testemunhas descreveram a primeira tentativa de execução como uma "tortura".

Funcionários do estabelecimento prisional de Lucasville, onde ocorreu a tentativa de execução, dizem que as autoridades passaram cerca de duas horas a tentar encontrar, sem sucesso, uma veia para injetar a dose letal.

De acordo com os relatos, Broom "estava visivelmente frustrado e com dores". O prisioneiro terá colaborado com os seus executores, massajando os braços para tentar manter uma veia aberta, mas após 10 tentativas falhadas, a equipa decidiu cancelar o procedimento.

Em 2014 algo semelhante aconteceu no estado do Oklahoma. No caso estava previsto. A execução chegou a ser adiada depois várias tentativas falhadas, mas Lockett acabou por sucumbir com um ataque cardíaco depois de uma das suas veias ter colapsado.

A próxima execução no estado está prevista para janeiro de 2017. O Ohio é o estado americano que mais cumpre a pena de morte.

Apesar da decisão ter sido adiada Romell Broom permaneceu no "corredor da morte" nos últimos sete anos.

O Supremo Tribunal do Ohio ainda ouviu os advogados do prisioneiro, que denunciam que o cliente está a ser condenado duas vezes pelo mesmo crime, mas os procurados argumentaram que a execução nunca chegou a acontecer porque as drogas não chegaram a entrar em contacto com o organismo.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG