Desmantelada em Itália rede de imigração ilegal ligada ao Estado Islâmico

Foram detidos oito suspeitos de pertencerem a uma organização criminosa que introduzia migrantes ilegais na Itália e lhes dava documentos falsos

A polícia italiana prendeu esta sexta-feira, em Nápoles, oito suspeitos de tráfico humano e falsificação de documentos que pertencem a um grupo criminoso que jurou lealdade ao Estado Islâmico.

Segundo as autoridades, os suspeitos, que são todos estrangeiros, tinham um esquema para levar migrantes ilegalmente para a Itália e fornecer-lhes documentos e contratos de trabalho falsos.

O líder da organização foi identificado como Mohamed Kamel Khemiri, um tunisino de 41 anos que já tinha sido preso por tráfico de droga. O cabecilha do grupo jurou lealdade ao Estado Islâmico e é agora também acusado de associação para fins terroristas e apologia ao terrorismo, segundo o jornal italiano La Reppublica.

"Serei do Estado Islâmico até morrer e se morrer peço que te juntes a mim", afirmou Mohamed Khemiri numa conversa intercetada pela polícia, segundo a Reuters.

"Esta investigação prova que há o risco de pessoas ligadas a jihadistas controlarem também operações de entrada ilegal de pessoas" no país, afirmou o procurador antiterrorismo Franco Roberti.

O procurador Luigi Alberto Cannavale afirmou que o suspeito se radicalizou após ter analisado o conteúdo que Mohamed Khemiri publicava e consultava na internet e nas redes sociais.

Esta quarta-feira, a Itália anunciou que estava a investigar se o Estado Islâmico era o responsável pela passagem de dezenas de milhares de migrantes pelo mar Mediterrâneo.

Mais de 420 mil migrantes chegaram ao sul de Itália pelo mar desde 2014.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG