Descobertas 227 ossadas de crianças sacrificadas no Peru

Restos mortais terão entre 1200 e 1400 anos e pensa-se que pertençam à Civilização Chimú. Sacrifício de crianças seria forma de tentar acalmar o fenómeno natural El Niño.

Um grupo de arqueólogos descobriu, no Peru, os restos mortais de 227 crianças sacrificadas pela civilização Chimú, conhecida pelo sacrifício de pessoas e animais. Os historiadores encontraram as ossadas numa vala e os cadáveres pertencem a crianças com idades compreendidas entre os cinco e 14 anos.

Segundo o jornal espanhol El Mundo, o arqueólogo Feren Castillo afirmou que "até agora foram encontrados os restos mortais de 227 crianças sacrificadas da cultura Chumú". O local do sacrifício foi descobertos em Huanchaco, um município na costa de Trujillho, a terceira cidade mais populosa do Peru.

De acordo com o jornal, o arqueólogo disse, ainda, que as crianças foram sacrificadas durante um ritual para acalmar os desastres naturais relacionados com o fenómeno climático El niño.

"Este é o maior local onde foram encontrados restos de crianças sacrificadas. Não há outro local em todo o mundo", disse Castillo à AFP, explicando ainda que as ossadas terão entre 1200 e 1400 anos. Os arqueólogos têm realizados escavações no local ao longo do último ano.

Ossadas encontradas em toda a parte

"Onde começamos a escavar encontramos outro corpo. É incontrolável. O número está a aumentar e a situação está fora de controlo", disse o arqueólogo. As crianças foram encontradas com a "cara virada para o mar e algumas ainda tinham cabelo, pele prateada e protetores de ouvidos", acrescentou ainda, segundo afirmou à emissora televisiva Al-Jazeera.

De acordo com com a AFP, esta não é a primeira descoberta de ossadas de crianças na zona: em junho de 2018 desenterraram 56 esqueletos.

Mais Notícias