Amazon retira decorações de Natal com imagens de Auschwitz após denúncia

Sinos, estrelas e até tapetes de rato com imagens do campo de concentração nazi de Auschwitz-Birkenau, onde morreram mais de um milhão de pessoas, estavam à venda na Amazon.

"Vender decorações de Natal com imagens de Auschwitz não parece apropriado. Auschwitz num saca-rolhas é perturbador e desrespeitoso". A denúncia foi feita pelo museu do campo através do Twitter sobre os produtos que estiveram à venda na Amazon, que entretanto os retirou da sua plataforma online.

Os produtos, vendidos como decoração ou presentes de Natal, mostram, por exemplo, os carris que levavam à entrada principal e os corredores ladeados por arame farpado de Auschwitz-Birkenau. Só neste campo de extermínio morreram mais de um milhão de pessoas, entre 1940 e 1945.

O Museu Memorial Auschwitz denunciou na rede social a venda dos ornamentos com imagens do campo de concentração nazi e, mais tarde, congratulou-se por saber que a Amazon decidiu retirá-los do site. Bolas, estrelas, sinos e até tapetes de rato de computador estavam à venda com as polémicas imagens estampadas.

No Twitter, o museu da Polónia, que pretende manter viva a história do campo de concentração, partilhou imagens dos enfeites que causaram a indignação de muitos seguidores. Foram muitos os que manifestaram surpresa pelos produtos que foram comercializados, sem conseguirem perceber como é que era possível ter na árvore de Natal ornamentos com imagens de um dos campos de concentração nazi, que simbolizam o extermínio levado a cabo pelo Terceiro Reich. Seis milhões de pessoas terão perdido a vida no Holocausto.

Um representante da Amazon afirmou, em comunicado, que os produtos foram removidos do site e que "todos os vendedores devem seguir" as "guias definidas" pela empresa. Quem não respeitar fica sujeito a que a Amazon remova a sua conta do site.

Entretanto, o museu fez saber que estes ornamentos de Natal com imagens de Auschwitz também estavam disponíveis no site de venda Wish Shopping. "Esperamos que tenham a mesma reação da Amazon e que o produtos sejam rapidamente removidos", apelou o Memorial Auschwitz.

O campo de concentração Auschwitz-Birkenau foi criado pela Alemanha nazi de Hitler, pouco depois de ter invadido a Polónia, a 1 de setembro de 1939, um acontecimento que marca o início da Segunda Guerra Mundial.

Mais Notícias