Coreia do Sul com 441 novos casos, pior registo diário desde março

Com o aumento das infeções, os hospitais correm o risco de esgotarem a capacidade para acolher novos doentes, alertam os peritos em saúde.

A Coreia do Sul registou 441 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas, anunciaram as autoridades, o pior balanço diário desde 7 de março, quando o país contabilizou 483 infeções.

O Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da Coreia do Sul informou que 315 dos novos casos são provenientes da área metropolitana de Seul, onde vive metade da população do país, que conta com 51 milhões de habitantes.

O aumento de casos já levou os peritos em saúde a alertar para a possibilidade de os hospitais esgotarem a capacidade para acolher novos doentes.

A Assembleia Nacional de Seul foi nesta quinta-feira encerrada e mais de uma dúzia de deputados do partido no poder foram forçados a entrar em quarentena, após um jornalista que cobriu uma reunião dos líderes do partido ter testado positivo, segundo a agência de notícias Associated Press.

Restrições para travar a propagação do vírus estendem-se a todo o país

Na semana passada, o Governo da Coreia do Sul alargou a todo o país uma série de restrições em vigor até ali apenas na capital, Seul, devido ao aumento de casos de covid-19.

As restrições, que correspondem ao nível 2 de uma escala de 3, incluem o encerramento de espaços públicos e estádios desportivos, a redução do número de alunos até um terço do total, o encerramento de cafés e salas de karaoke e o cancelamento dos serviços religiosos dominicais.

As reuniões em espaços fechados com mais de 50 pessoas e com mais de uma centena em espaços ao ar livre também passaram a estar proibidas a nível nacional.

Já a 25 de agosto, a Coreia do Sul ordenou que as escolas em Seul retomassem o ensino à distância.

Surto das últimas semanas é a maior crise do país desde o surgimento da covid-19

As autoridades sanitárias descreveram o surto das últimas duas semanas como a maior crise do país desde o surgimento da covid-19, e já alertaram que, se a propagação não abrandar, poderão vir a elevar as medidas para o nível 3.

As autoridades temem, no entanto, que essas medidas, que limitariam a economia às atividades essenciais, prejudiquem a recuperação do país.

O banco central da Coreia do Sul baixou hoje as suas perspetivas de crescimento para a economia nacional, prevendo uma contração de 1,3%.

A pandemia de covid-19 já provocou pelo menos 820 mil mortos e infetou mais de 23,9 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência de notícias France-Presse.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

Mais Notícias