Cimeira de Paris reafirma compromisso a favor de dois Estados, Israel e Palestina

Mais de 70 países apelaram a israelitas e palestinianos para que se comprometam com a solução de dois Estados

A comunidade internacional reunida em Paris reafirmou hoje o seu compromisso a favor da solução de dois Estados e disse que não ia reconhecer ações unilaterais pelos israelitas ou palestinianos, incluindo sobre fronteiras e Jerusalém.

Mais de 70 países apelaram a israelitas e palestinianos para que se comprometam com a solução de dois Estados e para se absterem ações unilaterais que possam condicionar o resultado da negociação, sobretudo sobre fronteiras, Jerusalém e os refugiados, acrescentando que se essas ações forem tomadas eles não as reconhecerão.

O chefe da diplomacia francesa Jean-Marc Ayrault disse hoje que toda a resolução do conflito israelo-palestiniano devia basear-se nas fronteiras de 1967 e nas grandes resoluções das Nações Unidas.

Jean-Marc Ayrault, que falava numa conferência de imprensa no âmbito da cimeira de Paris, acrescentou que é bom lembrar a base e a base é a fronteira de 1967 e as grandes resoluções das Nações Unidas, referindo-se ao texto que apela a Israel para que se retire dos territórios ocupados depois da Guerra dos Seis Dias, em 1967.

Entretanto, o secretário de Estados norte-americano, John Kerry, garantiu hoje ao primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, que a conferência de Paris não terá consequências irreversíveis para Israel, nem tão pouco continuidade numa possível resolução de condenação na ONU.

Kerry, que participa na conferência, no que parece ser o seu último ato oficial de alto nível, telefonou a Netanyahu para lhe prometer que o documento final da reunião não referirá qualquer ação ou sanção na ONU ou outro organismo internacional até 20 de janeiro, quando o Presidente norte-americano, Barack Obama, será substituído no cargo por Donald Trump.

Israel acredita que a conferência de paz, convocada pela França e na qual participam cerca de 70 países, mas da qual estão ausentes israelitas e palestinianos, pode ser um novo elo na cadeia de pressões internacionais.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG