Chuva forte deixa 70% de Veneza inundada e surpreende turistas. Três mortos perto de Roma

O fenómeno foi registado esta segunda-feira.

Chamam-lhe "acqua alta". Na cidade conhecida mundialmente pelos seus canais, várias vezes ao ano as chuvas torrenciais levam à subida da maré, deixando Veneza, em Itália, alagada. O fenómeno repetiu-se esta segunda-feira e apesar de já ser normal entre os locais, o nível da água não atingia valores tão altos desde novembro de 2012, de acordo com o The Washington Post.

O jornal indica que a inundação cobriu 70 por cento da cidade italiana, com a altura da água a rondar os 156 centímetros.

Nas redes sociais, há quem faça o registo pelas ruas de Veneza.

Três mortos registados em Roma

A vaga de mau tempo que atinge Itália desde domingo fez hoje três mortos e causou o encerramento de muitas escolas, ao passo que em Veneza a água atingiu um nível histórico.

Duas pessoas morreram quando uma árvore caiu sobre o veículo em que se encontravam, perto de Roma, e um jovem foi morto pela queda de uma árvore em plena rua na região de Nápoles, segundo as autoridades.

Todas as escolas de Vêneto foram encerradas, tal como as de Roma, Génova (noroeste), Messina (Sicília) e de muitas cidades do Piemonte e da Toscânia.

No nordeste, rajadas de vento de até 100 quilómetros por hora nas áreas costeiras e 150 quilómetros por hora na montanha eram esperadas hoje à noite, com um total de precipitação em alguns dias equivalente ao volume de vários meses. Algumas zonas montanhosas do norte de Vêneto já ultrapassaram os 400 milímetros de chuva acumulada desde sábado, e os serviços meteorológicos preveem mais chuva forte.

"Estamos preocupados, porque a situação é análoga, ou talvez pior, àquela que Vêneto viveu [nas grandes inundações] de 1966 e 2010. Os terrenos já estão saturados de água, os rios têm um caudal elevado e, por causa do siroco (vento quente, muito seco, que sopra do deserto do Saara), o mar não absorve", comentou Luca Zaia, presidente da região de Vêneto.

No sul, um tornado atravessou a província de Brindisi no domingo, devastando os campos, arrancando pela raiz oliveiras jovens ou centenárias e cobrindo a zona com azeitonas arrancadas pelo vento.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG