Chile. Ministro da Saúde demite-se devido à contagem de mortes

Relatório entregue à OMS, entretanto divulgado, contabiliza mais 2 mil óbitos do que o governo admite.

O ministro da Saúde do Chile demitiu-se devido à controvérsia sobre o número oficial de mortos do coronavírus, no momento em que a pandemia atinge duramente o país, apesar das medidas de quarentena na capital.

A renúncia de Jaime Mañalich, um médico, foi anunciada pelo presidente Sebastián Piñera. Poucas horas depois o cirurgião Enrique Paris substituiu Mañalich nas funções.

O governo diz publicamente que a crise sanitária já custou mais de 3 mil vidas. No entanto, no sábado, no entanto, um relatório revelou que o Chile tinha informado a Organização Mundial de Saúde de que o número de mortes por coronavírus no país era, na realidade, superior a 5 mil.

O relatório foi publicado por uma organização jornalística de investigação chamada CIPER, que obteve uma cópia da documentação em que o Ministério da Saúde informou a OMS sobre o número de mortos.

A publicação seguiu-se a uma semana em que as críticas a Mañalich se intensificaram depois de o ministério ter mudado a forma como conta as mortes causadas pelo covid-19. Muitos epidemiologistas afirmaram que as mudanças não faziam sentido.

A vice-ministra da Saúde, Paula Daza, afirmou que o valor mais elevado é preciso e decorre da nova e diferente metodologia de apuramento.

Na sexta-feira, o Chile estabeleceu um recorde de novas infeções e mortes durante um período de 24 horas - 6.754 e 222, respetivamente.

"A situação no nosso país continua a aumentar, sobretudo na região metropolitana", afirmou sexta-feira o subsecretário de Estado do Ministério da Saúde Arturo Zúñiga.

As contaminações continuam a aumentaram constantemente, apesar de a capital Santiago e os seus sete milhões de habitantes terem sido confinados há mais de um mês.

Na sexta-feira, o governo colocou também as cidades de Valparaíso e Vina del Mar sob quarentena obrigatória, bem como as cidades rurais próximas.

As ordens de quarentena significam que quase metade da população do Chile, de 18 milhões de habitantes, está sob rigoroso confinamento.

O Chile tem oficialmente 167.355 casos de covid-19 e 3.101 mortes.

Mais Notícias