Chico Buarque veta música sua em programa após entrevista a Temer

"Roda Viva", nome da canção e também da atração da TV Cultura, não será mais utilizado após conversa considerada demasiado amigável entre jornalistas e presidente da República.

Chico Buarque vetou o uso da sua música Roda Viva na abertura do programa homónimo da TV Cultura, prestigiado canal de televisão brasileiro, após entrevista emitida no último dia 14 a Michel Temer, considerada "chapa branca", a gíria local para definir uma conversa demasiado simpática ao entrevistado.

Além do tom, considerado amigável em excesso por alguns setores da opinião pública e dos media, causou impacto nas redes sociais um vídeo gravado pelo próprio diretor de jornalismo da estação, William Corrêa, com os entrevistadores e com o próprio entrevistado, no qual Michel Temer agradecia "a propaganda".

Veja aqui o vídeo:



O compositor, apoiante dos governos de centro-esquerda de Lula da Silva e de Dilma Rousseff, ambos do Partido dos Trabalhadores (PT), que precederam o de Temer, do Partido do Movimento da Democracia Brasileira (PMDB), demorou uns dias a desautorizar o uso do tema porque esperava entender os detalhes do contrato. Quando percebeu que não existia contrato mas apenas um acordo verbal com o ex-produtor da estação falecido em abril deste ano Fernando Faro, Buarque deu instruções ao seu advogado para acertar a rutura.

Em paralelo, porém, a própria TV Cultura, emissora de cariz educacional e cultural fundada em 1960 e propriedade do Governo do Estado de São Paulo, anunciou que já planeava mudar o genérico inicial, no âmbito de uma reformulação gráfica que comemora os 30 anos do programa. O "Roda Viva", que foi primeiro ao ar em 1986, consiste em entrevistas a figuras destacadas da política e da sociedade por um painel de jornalistas de outros órgãos de comunicação social convidados.

O tema Roda Viva, de Chico, foi apresentado no equivalente brasileiro ao festival da canção em 1968, quando alcançou o terceiro lugar. Originalmente sem conotação política, foi escrita para uma peça de teatro do mesmo nome que sofreu a invasão do Comando de Caça aos Comunistas, organização paramilitar dos anos 60 favorável à ditadura, que agrediu os atores e depredou os cenários do Theatro Ruth Escobar, em São Paulo.

Veja aqui o vídeo do festival da canção 1968:



Já em março, Chico Buarque proibira o uso de temas seus na peça "Todos os Musicais de Chico Buarque em 90 Minutos" porque o ator e encenador Cláudio Botelho chamara Lula e Dilma de ladrões em improviso durante um espetáculo me Belo Horizonte.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG