Cerca de 30 mortos em dois atentados na capital iraquiana

Cerca de 30 pessoas morreram e mais de uma centena ficaram feridas em dois atentados perpetrados com poucas horas de intervalo na capital iraquiana, Bagdad, segundo fontes dos serviços de segurança.

Um dos atentados foi reivindicado pelo grupo Estado Islâmico (EI), que combate as tropas iraquianas em Mossul, a segunda maior cidade do país.

Hoje, pouco depois da meia-noite, um bombista suicida fez-se explodir em frente a uma geladaria, no centro da capital iraquiana, segundo fontes dos serviços de segurança.

"O balanço de mortos subiu para 16 mortos e 75 feridos, incluindo mulheres e crianças", afirmou uma das fontes, que pediu anonimato.

Imagens transmitidas nas redes sociais mostram o impacto da explosão, que foi reivindicada pelo EI, através da sua agência de propaganda Amaq, e que teve como alvo um grupo de xiitas.

O enviado especial norte-americano junto da coligação internacional na Síria e no Iraque, Brett McGurk, já condenou o ataque, considerando que "os terroristas do EI visaram crianças e famílias que estavam a aproveitar o bom tempo na geladaria", e reiterou o apoio dos Estados Unidos ao Iraque "contra o mal".

Algumas horas mais tarde, um carro armadilhado estacionado na ponte dos Mártires explodiu.

"Onze pessoas morreram na explosão, que visou civis", afirmou um agente da polícia, que falou ainda em dezenas de feridos.

Este atentado ainda não foi reivindicado.

A ofensiva para retomar Mossul, ainda controlada pelo EI, continua, estando as forças iraquianas a ser apoiadas pela coligação internacional liderada pelos Estados Unidos.

Desde o início da operação em Mossul, 760.000 civis deixaram as suas casas, mas cerca de 150.000 regressaram, segundo as agências internacionais.