Cenário pessimista prevê filas de 7.000 camiões para atravessar Canal da Mancha

Um estudo do Governo britânico prevê filas com 7.000 camiões e dois dias de espera para atravessar o Canal da Mancha para França devido à saída do Reino Unido da União Europeia (UE), admitiu o ministro Michael Gove.

Num cenário que considerou o pior possível, em que 30 a 50% das grandes empresas e 60 a 80% de pequenas e médias empresas não estão preparadas para o 'Brexit', então 40 a 70% dos camiões poderão chegar à fronteira sem os formulários necessários devidamente preenchidos, disse hoje no parlamento.

"Nesse cenário, o fluxo [entre Dover e Calais] poderia ser reduzido em 60 a 80% e isso poderia resultar em filas de até 7.000 camiões em Kent [região no sul de Inglaterra]", afirmou o ministro do Conselho de Ministros, responsável pelos preparativos relacionados com a saída britânica da UE.

Michael Gove disse que, embora o Governo britânico esteja "empenhado em negociar um novo acordo com UE antes do fim do período de transição, e as negociações continuem, seja qual for o resultado das negociações, as coisas vão mudar para empresas e pessoas se fizerem comércio ou viajarem para a UE".

Gove disse que uma sondagem recente concluiu que 78% das empresas britânicas já começaram a preparar-se para o pós-Brexit, mas que só 24% estão totalmente prontas e que 43% das empresas ainda acreditam que o período de transição vai ser prolongado, o que o governo recusou em junho.

Mesmo assim, vincou que o Reino Unido continua a preparar-se para a saída e que já foram investidos cerca de 750 milhões de libras (818 milhões de euros) em tecnologia, infraestruturas e pessoal e que a comissão governamental responsável pelo processo encontra-se "quase diariamente" para tomar decisões.

O Reino Unido saiu formalmente da UE em 31 de janeiro, mas continua a beneficiar do acesso ao mercado único e união aduaneira até ao final do ano, no âmbito do período de transição previsto no Acordo de Saída.

A nona ronda de negociações para um novo acordo de comércio está prevista para a semana entre 28 de setembro e 02 de outubro, mas as duas partes apontaram para a existência de divergências significativas.

Mais Notícias