Candidatura de Eduardo dos Santos ao MPLA é a "mais acertada"

O vice-presidente entregou a candidatura de Eduardo dos Santos à liderança do partido. O prazo de formalização de outras possíveis candidaturas foi alargado

A candidatura do presidente do MPLA, José Eduardo dos Santos, à sua sucessão, foi hoje formalmente entregue pelo vice-presidente do partido, Roberto de Almeida, que o considerou como "a opção mais acertada" para os militantes.

No ato de receção, o coordenador da subcomissão de candidaturas do partido, Pedro Sebastião, expressou o "elevado sentido de responsabilidade" com que recebeu a candidatura de José Eduardo dos Santos, até ao momento a única apresentada formalmente.

Em declarações à imprensa, no final do ato, Pedro Sebastião disse que o período de formalização de candidaturas continua em aberto, até ao dia 14 de julho, tendo esta sido apenas a primeira candidatura formal apresentada.

Pedro Sebastião disse que eventualmente outras candidaturas poderão chegar até ao fim do prazo.

"Vamos ouvindo aqui e acolá algum interesse de candidaturas para o cargo de presidente do MPLA, mas o certo é que até ao momento ainda não chegou absolutamente nada à subcomissão de candidaturas, acreditamos que até ao dia 14 de julho seguramente vamos receber algumas candidaturas", disse o coordenador da subcomissão.

Questionado sobre que dificuldade poderá trazer uma eventual saída de José Eduardo dos Santos em 2018, como o próprio anunciou, Pedro Sebastião referiu que o partido tem mecanismos próprios, no seio dos seus estatutos, regulamentos, que na altura serão espoletados para a solução de eventual problema que possa surgir com a sua saída.

Na sua intervenção, o vice-presidente do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) lembrou que a trajetória seguida por José Eduardo dos Santos, desde os tempos de ação clandestina, partida para o exterior e integração no movimento em luta pela libertação de Angola, "ilustra bem a sua têmpera de nacionalista convicto, combatente decidido e forjado nas dificuldades enfrentadas".

"Longe de ser um privilégio, o cargo de presidente do MPLA carreta um somatório de encargos e responsabilidades que exigem fortes qualidades de liderança, dedicação, inteligência, sentido de conciliação, tolerância e experiência partidária", disse Roberto de Almeida.

Acrescentou que, "todas estas qualidades, concentradas no cidadão e militante José Eduardo dos Santos e confirmadas na sua notável ação como incansável obreiro da reconstrução, estratega político, diplomático e militar pacificador da nação, fazem dele a opção mais acertada para os militantes, simpatizantes e amigos do MPLA".

A eleição para presidente do partido decorrerá no VII congresso ordinário do MPLA, agendado para 17 a 20 de agosto próximo, em Luanda.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG