Campanha para impedir demolição de casa de estilo sino-português em Phuket

O explorador português Fernão Mendes Pinto, que chegou à Tailândia em 1545, foi um dos primeiros europeus a mencionar Phuket nos relatos das suas viagens

As autoridades culturais de Phuket, no sul da Tailândia, lançaram uma campanha para impedir a demolição de uma mansão de estilo sino-português, noticiou hoje o jornal The Phuket News.

O apelo surgiu depois de o hospital Vachira de Phuket, proprietário da casa, ter anunciado que pretende demolir o edifício para alargar as instalações hospitalares.

"Quero que todos se juntem à campanha contra a demolição deste edifício sino-português, uma construção importante para Phuket", escreveu na quinta-feira na rede social Facebook Atsawin Auttatum, presidente do gabinete da cultura da cidade.

"O edifício tem quase 100 anos e é do estilo sino-português. Precisa de ser reparado e renovado, mas qualquer trabalho tem que ser aprovado pelo departamento de Belas-Artes", afirmou Thawatchai Thataisalsilp, arqueólogo do departamento de Belas-Artes do ministério da Cultura tailandês, após uma inspeção ao edifício.

O responsável acrescentou que "como proprietário, o hospital pode demolir a casa, mas como se trata de um edifício de interesse histórico seria uma violação da lei tailandesa sobre monumentos, antiguidades e museus".

Thawatchai Thataisalsilp indicou que um diretor-adjunto do departamento de Belas-Artes fará uma inspeção ao edifício no sábado.

Conhecida como "Boonphat Building", a mansão está rodeada de árvores de mogno plantadas no reinado de Rama VI, em 1917.

"Devemos proteger os locais históricos de Phuket", sublinhou Atsawin Auttatum, na mensagem no Facebook.

O explorador português Fernão Mendes Pinto, que chegou à Tailândia em 1545, foi um dos primeiros europeus a mencionar Phuket nos relatos das suas viagens.

Em 26 de dezembro de 2004, Phuket foi uma das zonas turísticas mais destruídas pelo maremoto de magnitude 9,1 na escala de Richter, que causou perto de 230 mil mortos em toda a Ásia e em alguns países africanos.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG