Avó de Michelle Bolsonaro morre de covid-19

Primeira-dama brasileira não tinha contacto com Maria Aparecida Ferreira, de 81 anos, que morava numa das favelas mais pobres e violentas do país e, segundo a imprensa, teria sido detida em 1997 por tráfico de drogas.

A avó materna de Michelle Bolsonaro, primeira-dama do Brasil, é uma das mais de 104 mil vítimas do novo coronavírus. Maria Aparecida Firmo Ferreira, de 81 anos, morreu nesta quarta-feira na enfermaria do Hospital Regional de Ceilândia, nos arredores de Brasília, segundo informação do jornal Metrópoles, sediado na região, após confirmação de Maria de Fátima Ferreira, filha da paciente.

"Deus resolveu levar minha mãezinha, não consigo acreditar. Ela lutou tanto, mostrou tanta força, mas não resistiu. Estamos todos muito abalados", declarou Fátima, que é tia da primeira-dama.

Maria Aparecida estava internada há cerca de três semanas, chegou a registar ligeira melhoria, mas não resistiu depois ter 78% da capacidade pulmonar comprometida.

A avó de Michelle já havia sido notícia na imprensa brasileira um ano antes da pandemia por morar na favela Sol Nascente, em Ceilândia, não muito longe do Palácio da Alvorada, residência oficial do presidente da República Jair Bolsonaro e da neta.

A Sol Nascente rivaliza com a Rocinha, no Rio de Janeiro, como maior favela do país. Com 93% das casas da região em situação irregular, a maior parte das vias não são asfaltadas e o esgoto corre a céu aberto. Violenta e dominada pelo tráfico de drogas, a favela onde morava a avó de Michelle é chamada na área por "sucursal do inferno".

Em reportagem no local de abril de 2019, a revista Veja informou que, apesar de ter ajudado a criar Michelle, a avó não foi convidada para a posse e não via a neta havia seis anos - Maria das Graças, mãe da primeira-dama, também não.

Noutra reportagem, a revista descobriu que Maria Aparecida fora presa por tráfico de drogas em 1997 e que isso teria levado ao distanciamento da neta.

Mais Notícias