Não há sobreviventes do avião que se despenhou

Avião da Pakistan International Airlines viajava com destino a Islamabad. Despenhou-se após a descolagem

Vinte e um corpos já foram recuperados do avião paquistanês que se despenhou hoje no norte do país com 47 pessoas a bordo. A Autoridade de Aviação Civil do Paquistão confirmou entretanto, através do Twitter, que não há sobreviventes do acidente.

"Vinte e um corpos foram encontrados até agora", indicou uma fonte do exército.

Um avião da Pakistan International Airlines, a maior companhia aérea do Paquistão, despenhou-se esta quarta-feira nos arredores da cidade de Havelian, no distrito de Abottabad, disse à agência Reuters fonte policial.

A aeronave, um ATR-42 que levaria 47 pessoas a bordo - um porta-voz da companhia disse à AFP que viajavam no avião 37 passageiros, mais tripulação - perdeu contacto com os radares pouco depois de ter descolado da cidade de Chitral, no norte do país, pelas 16:30 (menos cinco horas em Portugal). Viajava com destino a Islamabad, a capital do Paquistão, tendo caído a cerca de 70 quilómetros desta cidade, indica a BBC.

A Reuters cita um responsável do governo na região: "Todos os corpos estão queimados e irreconhecíveis. Os destroços estão dispersos", revelou Taj Muhammad Khan, a partir do local do acidente. O mesmo responsável diz ter sido informado por testemunhas de que o avião, que se despenhou numa zona montanhosa, estava em chamas antes de cair no solo.

Em comunicado, a companhia nacional do Paquistão confirmou apenas que o voo PK-661 tinha perdido contacto com os controladores aéreos na tarde desta quarta-feira.

A Pakistan International Airlines tem sido acusada de falhas várias de segurança e, desde 2007, está proibida de voar na União Europeia. O maior acidente da companhia aconteceu em 2006 e teve como resultado 44 vítimas mortais.

O último grande acidente aéreo no Paquistão ocorreu já em 2015, quando um helicóptero militar se despenhou num vale isolado no norte do país, causando oito mortos, incluindo três embaixadores e duas embaixatrizes.

O pior acidente registou-se em 2010: um Airbus 321 da companhia privada Airblue, que ligava Carachi a Islamabad, despenhou-se pouco antes de aterrar na capital, matando as 152 pessoas a bordo.

Com Lusa

Mais Notícias

Outras Notícias GMG