Autoridades russas encerram escritório da Amnistia Internacional em Moscovo

Escritório da organização foi encerrado sem aviso, alegadamente pelos serviços municipais. Rendas estão em dia

As autoridades russas encerraram esta quarta-feira o escritório da Amnistia Internacional em Moscovo sem notificação ou explicação prévia, anunciou a organização internacional de defesa dos direitos humanos.

"Os funcionários encontraram o escritório fechado cerca das 10:00 (07:00 TMG e Lisboa). A organização não recebeu qualquer aviso e as instalações foram fechadas sem a sua presença", declarou a AI num texto colocado no seu 'site'.

A organização diz que as fechaduras foram mudadas e o alarme do local foi desligado no único escritório da AI na Rússia.

A Amnistia é frequentemente crítica das autoridades russas, sobretudo em relação ao tratamento dado aos presos, especialmente os detidos por motivos políticos.

Na terça-feira, a organização apelou às autoridades para que "ponham fim ao padrão de impunidade da tortura e de outros maus-tratos", depois de o ativista Ildar Dadin ter dito que foi espancado e ameaçado na prisão.

John Dalhuisen, diretor para a Europa da AI, disse num comunicado "não saber" o que levou as autoridades a "impedir os funcionários de acederem ao escritório".

"Dado o atual ambiente para o trabalho da sociedade civil na Rússia, há claramente uma série de explicações plausíveis (...) Esperamos que haja uma explicação administrativa simples", disse.

Os escritórios da organização foram aparentemente fechados pelas autoridades municipais, que deixaram um aviso na porta, mas a Amnistia assegura que não consegue ligação para o número de telefone lá inscrito.

"Estamos a ligar consecutivamente há duas horas, até agora sem êxito", disse o chefe da secção russa da organização, Serguei Nikitin, à agência RIA Novosti.

Este responsável disse que o local está alugado à Amnistia há 20 anos e o pagamento das rendas está em dia.

Questionado por jornalistas, o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, disse não ter "absolutamente nenhuma informação sobre o assunto", do qual disse estar a ouvir falar "pela primeira vez".

Mais Notícias

Outras Notícias GMG