Furacão Michael é "extremamente perigoso". Milhares de pessoas retiradas de casa

O Centro Nacional de Furacões dos EUA anunciou que o furacão Michael já é de categoria 4 e meteorologistas dizem que pode ser a pior tempestade na história do noroeste da Florida.

As autoridades da Florida, nos Estados Unidos, pediram a cerca de 375 mil pessoas para saírem de casa antes do "rápido fortalecimento" do furacão Michael, agora com ventos superiores a 200 quilómetros/hora (km/h).

A tempestade, que já esta quarta-feira evoluiu para um furacão de categoria 4, segundo o Centro Nacional de Furacões dos EUA, deve atingir a costa da Florida, numa área pouco povoada, com uma série de aldeias de pescadores e praias de areia branca.

O Centro Nacional de Furacões dos EUA fala num evento "extremamente perigoso" e que implica "risco de vida" no noroeste da Florida (conhecido como Panhandle). Os meteorologistas preparam-se para aquela que pode ser a pior tempestade na história da região.

O governador da Florida, Rick Scott, classificou o Michael como "um furacão monstruoso", enquanto o presidente dos EUA, Donald Trump, aprovou na terça-feira a declaração de estado de emergência para a Florida.

A declaração do estado de emergência permite ao Departamento de Segurança Nacional (DHS, na sigla em inglês) e à Agência Federal de Gestão de Emergências (FEMA) a coordenação de todos os esforços, bem como a gestão dos fundos federais de resposta aos danos causados.

Mas, segundo a agência AP, as autoridades estão preocupadas por não estarem a ver muitos veículos a deixar a zona, indicando que muitas pessoas optaram por ficar em casa apesar das ordens de evacuação. "Eu não estou a ver o nível de trânsito nas estradas que esperaria quando pedimos a evacuação de 75% do condado", afirmou o xerife de Bay, Tommy Ford.

"Já passamos por isto antes. Isto pode ser mesmo mau e grave. Mas, na minha experiência, está sempre fora de proporção", afirmou à agência Sally Crown, residente na cidade costeira de Apalchicola, que planeava ficar em casa com os dois cães.

Morte e destruição nas Caraíbas

Na passagem pelas Caraíbas, o furacão deixou já pelo menos 13 mortos em El Salvador, Honduras e Nicarágua, segundo as agências oficiais de resposta a situações de emergência, e um rasto de destruição em Cuba.

A escala de classificação do Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos (NHC) vai de 1 a 5. A categoria 1 respeita a ventos muitos perigosos, entre 119 e 153 km/h, que produzem alguns estragos, a 2 a ventos extremamente perigosos, entre 154 e 177 km/h, que podem causar destruição generalizada.

As consequências apontadas para as categorias 3 e 4 são as de uma eventual destruição devastadora.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG