Autarca mexicano amarrado e arrastado por uma camioneta por não cumprir promessa

Onze agricultores foram detidos por terem atacado o presidente do município de Las Margaritas por este não ter reparado uma estrada, conforme tinha prometido na campanha eleitoral.

O presidente da Câmara Municipal de Las Margaritas, no sul do México, foi alvo de um ataque protagonizado por onze agricultores em protesto por não ter cumprido a promessa eleitoral de consertar uma estrada.

Jorge Luis Escandón foi tirado à força do seu escritório, na vila de Santa Rita, e depois obrigado a entrar na caixa de carga de uma carrinha. Mais tarde, foi amarrado com uma corda à parte de trás do veículo e foi arrastado pelas ruas daquela localidade. A polícia acabou por intervir, conseguindo libertar o autarca, que não sofreu ferimentos graves, tendo ainda detido os onze intervenientes no ataque.

Esta foi a segunda vez que os agricultores abordaram o presidente do município de Santa Rita para que ele cumprisse a promessa que havia feito nas eleições. Há quatro meses destruíram o seu escritório, numa altura em que Escandón lá não se encontrava. Naquela região do estado de Chiapas é comum os autarcas e os políticos serem alvo de ataques por parte de gangues quando não cooperam com os seus esquemas ilegais, mas é pouco comum que sejam atacados por causa do incumprimento de promessas.

Escandón já veio dizer que irá apresentar uma queixa por rapto e tentativa de homicídio. Como meio de prova tem um vídeo realizado por pessoas que estavam no exterior do seu escritório, que mostram-no a ser arrastado para a traseira do veículo. As câmaras de videovigilância também confirmam a tese de que foi arrastado pelas ruas, depois de ser amarrado com uma corda em volta das mãos e presa à traseira de outro veículo.

Na operação policial, que evolveu dezenas de agentes, várias pessoas ficaram feridas na sequência de confrontos entre os atacantes e a polícia.

Refira-se que durante a campanha eleitoral, Escondón foi detido por suspeita de participar numa briga com apoiantes de um dos candidatos rivais, tendo depois sido libertado por falta de provas.

Mais Notícias