Apoiante do Daesh declara-se culpado de incitar ataque contra príncipe George

A 13 de outubro de 2017, Rashid utilizou um grupo de conversação online para incitar os extremistas do EI a atacarem a criança de quatro anos

Um simpatizante do grupo extremista Estado Islâmico (EI ou Daesh) declarou-se esta quinta-feira culpado de vários crimes de terrorismo, entre os quais o incitamento a um ataque ao príncipe George, terceiro na linha de sucessão ao trono britânico.

No tribunal londrino de Woolwich, o britânico Husnain Rashid, de 32 anos, assumiu a culpa de três crimes, cometidos entre outubro de 2016 e abril passado, que incluem o planeamento de atos terroristas e a promoção do terrorismo.

Rashid, que inicialmente se declarou como inocente, também era acusado de outros dois crimes, nomeadamente a difusão de uma publicação terrorista. Estes crimes foram arquivados.

No final da audiência de hoje, o juiz do tribunal de Woolwich, que irá comunicar a sentença a 28 de junho, advertiu o acusado que "inevitavelmente irá receber uma longa pena de prisão", admitindo a possibilidade de uma pena de prisão perpétua.

A 13 de outubro de 2017, Rashid utilizou um grupo de conversação online para incitar os extremistas do EI a atacarem o príncipe George, de 4 anos, que um mês antes tinha ingressado no colégio Thomas's Battersea, na zona oeste de Londres.

O acusado, simpatizante do EI, colocou online uma fotografia do príncipe britânico ao lado de figuras que representavam 'jihadistas', segundo argumentou o Ministério Público durante o processo.

Rashid, detido a 22 de novembro do ano passado no norte de Inglaterra, também sugeriu outros possíveis alvos para ataques terroristas, que incluíam localidades no Reino Unido, Austrália, Turquia e Estados Unidos.

O Ministério Público explicou que o jovem geria "um canal digital" intitulado "Mujahid Solitário", no qual incentivava a realização de futuros ataques e facilitava informações e apoio a possíveis terroristas.

O príncipe George é o primogénito dos duques de Cambridge, o príncipe William, segundo na linha de sucessão ao trono britânico, e Kate Middleton.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG