Alemanha. Aumentam os casos de covid-19 e regressa a corrida ao papel higiénico

A Alemanha atingiu esta quinta-feira um novo máximo diário, com mais de 11 mil casos reportados em apenas 24 horas. Uma nova vaga de infeções que está a levar os alemães a um novo açambarcamento de papel higiénico e gel desinfetante.

Na Alemanha, há uma nova corrida aos supermercados para comprar papel higiénico à medida que os casos de covid-19 aumentam. Os dados divulgados esta quinta-feira mostram como a situação é "muito grave", como classificam as autoridades de saúde - foi registado um novo máximo diário de novas infeções, com mais de 11 mil diagnósticos de covid-19 confirmados em apenas 24 horas. Uma segunda vaga de infeções pelo SARS-CoV-2 no país que está a levar novamente os alemães a acorrerem às prateleiras dos supermercados para levar grandes quantidades de papel higiénico e gel desinfectante.

O açambarcamento está de regresso, depois da corrida aos supermercados em março. Isso mesmo diz o instituto federal de estatísticas alemão, dando conta do aumento nas vendas de papel higiénico e desinfectantes. "As compras de hamsters", como designam os alemães as compras por acumulação ou em pânico, "estão novamente a começar", refere o organismo numa publicação no Twitter.

Os números não mentem. O instituto de estatística indica que as vendas de papel higiénico aumentaram 89,9% na semana passada em comparação com os níveis registados antes da crise sanitária. As vendas dos desinfectantes aumentaram em 72,5% e os sabonetes em 62,3%, dois produtos que também estão a ter bastante procura, sublinha a empresa, em comunicado, citado pela Reuters.

Aumento de infeções. A situação é "muito grave"

Isto acontece numa altura em que o país enfrenta um agravamento da situação epidemiológica. Só nas últimas 24 horas, a Alemanha registou 11 287 novas infeções de covid-19, um novo máximo diário, segundo os dados do Instituto de Saúde Pública Robert Koch.

Tal como em vários países europeus, a Alemanha tem assistido nas últimas semanas a um forte aumento de casos positivos de covid-19, o que tem levado a novas restrições. Em Berlim, por exemplo, as autoridades impuseram o uso de máscara em algumas ruas mais frequentadas.

A situação é "muito grave", alertou hoje o presidente do Instituto Robert Koch (RKI), citado pela AFP. Em conferência de imprensa, Lothar Wieler aproveitou para reforçar o apelo de que é necessário cumprir com as medidas de segurança para conter a propagação do novo coronavírus. "A situação tornou-se muito séria no geral", sublinhou.

"O vírus pode estar a espalhar-se de forma incontrolável" em algumas áreas desde setembro, acrescentou Wieler, explicando que "atualmente os jovens são os mais expostos ao vírus".

"Quanto mais pessoas em círculos privados são infetadas, mais estas espalham" o vírus em outros lugares, disse o presidente do RKI.

Lothar Wieler, no entanto, garantiu que ainda é possível "conter" a propagação da pandemia "respeitando sistematicamente as medidas de proteção", mas também "ventilando regularmente" as salas fechadas. "Não somos impotentes", declarou..

Já no sábado, a chanceler alemã pediu aos cidadãos para reduzirem ao máximo os convívios sociais, mantendo-se em casa. "O que será o inverno, o que será o nosso natal, será decidido nos próximos dias e nas próximas semanas", advertiu Angela Merkel.

Ao todo, pelo menos 380 762 pessoas foram infetadas desde o início da nova epidemia de coronavírus na Alemanha, das quais 9875 perderam a vida.

Com Lusa.

Mais Notícias