AfD rejeita ser uma alternativa mais moderada para a Alemanha

Delegados recusaram votar moção de Frauke Petry para afastar partido do discurso xenófobo, anti-imigração e anti-islão.

Quando nasceu, há quatro anos, em abril de 2013, a Alternativa para a Alemanha (AfD, na sigla em alemão) era no âmago um partido antieuro. Com o seu cofundador a descrever uma "formação de um novo tipo, nem de esquerda nem de direita". De fora do Parlamento federal nas eleições desse ano, por ficar abaixo dos 5%, dois anos depois a AfD, com Frauke Petry à frente, assume-se como anti-imigração e anti-islão, além de anti-Europa, aproveitando o descontentamento com a política de portas abertas aos refugiados da chanceler Angela Merkel. Agora, com o pico da crise migratória para trás e as divisões internas a fazer o partido cair nas intenções de voto, Petry quis aproveitar o congresso de Colónia para sugerir uma via mais moderada. Uma proposta rejeitada pelos delegados.

Depois de na quarta-feira ter chocado os apoiantes ao anunciar que não seria candidata às eleições de 24 de setembro, Petry propôs ontem remodelar o partido para a partir de 2021 poder entrar em coligações de governo em vez de se perpetuar como força da oposição. Nos últimos meses, surgiram divisões entre a ala "realista", que quer romper com o discurso de extrema-direita, xenófobo, anti-imigração e anti-islão, e a linha dura. Até agora todos os partidos recusam uma eventual coligação com a AfD.

Aos 41 anos e grávida do quinto filho (o primeiro com o atual marido e companheiro de partido, Marcus Pretzell), Petry lançou o apelo aos delegados para decidirem "se a AfD pode tornar-se, aos olhos dos eleitores, uma opção realista para tomar o poder em 2021" e "como" pode chegar a esse objetivo. E não se cansou de sublinhar que as "tensões internas" e as palavras polémicas levaram a uma "erosão drástica do potencial eleitorado"da formação. Depois de ultrapassar os 15% das intenções de voto na segunda metade de 2016 - quando a Alemanha lutava para receber mais de um milhão de refugiados - e de ter entrado em 11 dos 16 parlamentos regionais, a AfD oscila nas sondagens mais recentes entre os 7% e os 10%.

Mas esta estratégia inspirada na francesa Marine Le Pen - que depois de assumir a liderança da Frente Nacional em 2011 conseguiu afastar o partido de extrema-direita do discurso racista do pai e fundador da FN, Jean-Marie Le Pen - não resultou junto da linha dura da AfD, que domina o partido. Os delegados recusaram assim discutir a moção da co-líder do partido que sugeria rejeitarem "as ideologias racista, antissemita e nacionalista". Apelos à moderação vindos de alguém que ainda em janeiro de 2016 sugeria que a polícia alemã podia ter de disparar contra os refugiados para os impedir de entrar em solo alemão.

Depois do que o Bild descreveu como um "rude golpe", Petry lamentou "o erro" do partido e acrescentou que é precisamente a "falta de estratégia" que explica as lutas internas na AfD desde a sua criação. A primeira cisão surgiu em 2015 quando cinco eurodeputados abandonaram a formação, entre eles o cofundador Bernd Lucke, descontente com o rumo xenófobo que a AfD seguira.

Apesar das divisões, Petry garantiu que fará tudo para ajudar a AfD na campanha, mesmo se não se sabe quem será o candidato a chanceler. Jörg Meuthen, o co-líder, recebeu o aplauso da maioria dos 600 delegados quando garantiu que a AfD nunca aceitará uma coligação com Merkel, com o SPD de Martin Schulz ou com os Verdes, que acusou de destruírem a Alemanha com a posição pró-imigração.

No exterior, dez a 15 mil pessoas protestavam contra a AfD, longe das 50 mil esperadas. Dois polícias (dos 4000 destacados) ficaram feridos sem gravidade quando tentavam controlar os manifestantes que procuravam impedir os delegados de entrarem no hotel.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG