Acordo entre Gronelândia e EUA causa indignação na Dinamarca

Trump não comprou a Gronelândia, mas firmou agora um acordo de parceria que está a causar uma viva indignação em Copenhaga.

No ano passado foi notícia que Donald Trump queria comprar a Gronelândia (território ultramarino autónomo da Dinamarca). O que inicialmente parecia ser apenas uma piada veio a revelar-se real e chegou até a lançar o desentendimento entre os Estados Unidos e Copenhaga, com Trump a cancelar da noite para o dia uma visita que tinha agendado à capital dinamarquesa.

Entretanto, o caso saiu dos holofotes e, aparentemente, teria ficado por aí. Não ficou. Por estes dias, é notícia na Dinamarca um acordo firmado entre os norte-americanos e a ilha do Ártico, com a promessa de um investimento de 11 milhões de euros no território.

O primeiro-ministro gronelandês, Kim Kielsen, já veio congratular-se com o acordo. "Esta boa notícia confirma que o nosso trabalho de consolidação de uma relação construtiva com os Estados Unidos está a dar frutos", afirmou, citado pelo El País. O governo social-democrata da Dinamarca também se mostrou satisfeito, mas a concordância acaba aí: da esquerda à direita os partidos da oposição mostraram-se chocados com o acordo, que qualificam como "insultuoso" e "provocador".

O acordo prevê que o dinheiro investido pelos Estado Unidos será destinado à extração de matérias-primas, à saúde e à educação, sendo os projetos acertados pelos gronelandeses e pelos norte-americanos. Apesar de pertencer ao reino da Dinamarca, a Gronelândia tem ampla autonomia (embora as relações exteriores do território caibam a Copenhaga).

A Gronelândia, cuja economia se baseia quase exclusivamente na pesca, recebe 576 milhões de euros anualmente de Copenhaga, o que representa dois terços de suas finanças. Com o pacto com os EUA, no entanto, alguns deputados do Parlamento (Folketing) local temem que a Gronelândia se afaste gradualmente do governo central dinamarquês para se alinhar com seus novos parceiros americanos.

O interesse das grandes potências no Ártico

Situada ao largo da costa nordeste dos EUA, a Gronelândia é a maior ilha do mundo, com mais de dois milhões de quilómetros quadrados, mas tem pouca população (cerca de 56 mil habitantes), dado que grande parte do território está coberto de gelo. O posicionamento geográfico da ilha explica a atenção dos norte-americanos, dado que o Ártico tem vindo a suscitar um crescente interesse das grandes potências mundiais.

Segundo o El País, a embaixadora norte-americana na Dinamarca, Carla Sands, alertou esta semana para o facto de, apesar da política de "baixa tensão" que o Conselho do Ártico mantém desde a década de 1990 no território, surgirem agora novos desafios, com China e Rússia identificados.

Moscovo está a dar muita importância à sua estratégia militar no Ártico, reabrindo as bases da Guerra Fria e estabelecendo um novo comando no Ártico, revela a diplomata. E Pequim "procura estabelecer a Rota da Seda Polar" através do desenvolvimento de rotas marítimas que emergem no Polo Norte como consequência do aquecimento global.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG