Acabou a quarentena do cruzeiro que estava retido em Hong Kong

Testes realizados a toda a tripulação deram negativo. As 3600 pessoas a bordo, incluindo sete com passaporte português, foram autorizadas a sair.

As 3600 pessoas que estavam retidas a bordo de um cruzeiro em Hong Kong foram este domingo autorizadas a sair, depois de os testes feitos aos 1800 membros da tripulação terem dado negativo.

As pessoas que viajavam a bordo do World Dream estavam há cinco dias retidas no navio, que entre 19 e 24 de janeiro transportou três passageiros chineses que, veio mais tarde a descobrir-se, estavam infetados com o coronavírus. Quando o World Dream atracou em Hong Kong, na última quarta-feira, as autoridades decretaram quarentena a todos os que estavam a bordo e a tripulação foi sujeita a testes, cujos resultados foram agora conhecidos.

"O resultado de todos os testes foi conhecido esta manhã e todos deram negativo", declarou Leung Yiu-hong, chefe de saúde do porto. Quanto aos passageiros, o controlo não foi considerado necessário, dado que não tinham estado em contacto com as três pessoas infetadas.

Entre a tripulação do navio há sete pessoas com passaporte português,

Os viajantes no World Dream não vão ficar sujeitos à quarentena obriogatória que entrou em vigor no sábado, em Hong Kong, e que determina que qualquer viajante chegado da China tem que passar duas semanas em isolamento, seja em casa ou num hotel. A desobediência a esta medida pode ser punida com até seis meses de prisão.

Número de mortos supera SARS

O número de mortes por coronavírus aumentou este domingo para 811, superando as mortes por SARS em 2002-2003, com um total de casos a chegar a 37.198, segundo dados oficiais.

No sábado, a Comissão Nacional de Saúde da China tinha anunciado 722 mortos pelo surto do novo coronavírus.

Segundo a Comissão, até ao fim do dia de sábado registaram-se 6 188 casos graves, enquanto 2 649 pessoas tiveram alta.

As autoridades fizeram seguimento médico a 371.905 pessoas, que estiveram em contacto com os infetados, dos quais 188.183 continuam em observação.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG