A região de França onde a abstenção quase ganhou

Quatro candidatos podiam aspirar à segunda volta das presidenciais francesas. Mas na Ocitânia, surgiu um quinto candidato...

Uma região francesa, a Ocitânia, votou de maneira diferente da generalidade do país. Em muitos dos seus círculos eleitorais, a abstenção ultrapassou os 15% e nalguns casos os 20%, lê-se numa reportagem da revista Le Point online.

E, também ao contrário da tendência nacional, houve círculos em que Emmanuel Macron ou Marine Le Pen não foram os mais votados. Na Ocitânia, houve círculos em que o candidato do centro e da direita, François Fillon, foi o mais votado assim o candidato da esquerda apoiado pelos comunistas, Jean-Luc Mélenchon. E se Emmanuel Macron, centro-esquerda, ficou à frente em quatro departamentos e Marine Le Pen, extrema-direita, em outros quatro, nestes casos, o segundo mais votado não foi nenhum dos dois candidatos que vão à segunda volta, a 7 de maio. O segundo candidato mais votado - ou mesmo o primeiro - foi o daqueles que a revista francesa classifica como os "pescadores de linha", isto é, os abstencionistas, aqueles que nem se preocuparam sequer em se deslocarem às assembleias de voto. Assim, em cinco departamentos da Ocitânia (Aude, Ariège, Hautes-Pyrénées, Pyrénées-Orientales e Tarn-et-Garone,, escreve Le Point, o candidato "pescadores de linha" estaria na segunda volta, sendo que no Ariège foi Mélenchon o mais votado.

A abstenção nestas presidenciais foi de 21,7%; em 2012, fora de 20,6%. em 2002, quando Jean-Marie Le Pen passou à segunda volta, fora de 28,4%.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG