À procura da pistola dourada de Kadhafi

Cinco anos após a morte de Kadhafi, um jornalista da BBC viajou pelo país à procura da arma de ouro desaparecida

A pistola de ouro de Muammar Kadhafi foi um dos símbolos da força e do poder do regime que durante mais de 40 anos dominou a Líbia. E também da sua queda: quando Kadhafi foi morto em 2011, a sua arma foi erguida no ar como sinal de libertação. Foi por causa desta arma que Gabriel Gatehouse, jornalista da BBC, voltou à Líbia, quase cinco anos depois da revolução que derrubou o regime, na chamada Primavera Árabe.

A arma terá sido um presente de um dos filhos do líder quando este completou 32 anos no poder. No dia 20 de outubro de 2011, data da morte do coronel, Gatehouse estava em Sirte, cidade onde Kadhafi nasceu e foi assassinado, e conseguiu captar com o telemóvel a imagem de um jovem com um boné de basebol na cabeça e a arma de ouro na mão, a ser carregado aos ombros de rebeldes, como conta na reportagem "The Hunt for the Golden Gun". Anos depois, o britânico voltou para descobrir quem era o jovem que anunciou o fim de regime ao povo e o que era feito da arma e da Líbia.

Na peça exibida esta quarta-feira pela BBC, Gatehouse conta como reencontrou velhos conhecidos que combateram na revolução e, falando com eles, tentou perceber qual era o panorama geral do país, principalmente com o crescente domínio do grupo extremista Estado Islâmico em algumas zonas.

Gatehouse falou com Anwar Suwan, um dos líderes rebeldes da primavera de 2011. Segundo o jornalista, quando Kadhafi foi morto, o corpo foi levado até Anwar Suwan, que o "colocou em exposição num grande armário para refrigerar carne". Agora, Anwar queixa-se do estado em que o país foi deixado. "Eles cortaram a cabeça da cobra, Kadhafi, mas agora há centenas de cobras a substitui-lo", afirmou o rebelde. "Todos lutamos pela mesma coisa - para encontrar um líder para a Líbia - mas todos querem liderar. Há armas em todo o lado".

Continuando no rasto da arma, o jornalista foi à procura de Omran Shabban, um dos jovens fotografados com a arma de ouro na mão. Segundo Gatehouse, "Shabban tornou-se a personificação da esperança de que os líbios podiam limpar as suas feridas após meses de luta", mas a fotografia que inspirou muitos também significou a morte do jovem. Em 2012, Omran Shabban foi torturado por apoiantes de Kadhafi e acabou por morrer.

Após rever velhos combatentes, Gatehouse descobriu a identidade do jovem que empunhou a arma de ouro na fotografia que tirou no dia da morte de Kadhafi. Chama-se Mohammed Elbibi e tinha 17 anos quando a fotografia foi tirada. Mohammed garantiu que não teve nada a ver com a morte do general e que apenas apanhou a arma do chão no meio da confusão, quando os rebeldes mataram Kadhafi. E Elbibi guardou a pistola durante todos estes anos de conflito.

O jovem confessou também que não esperava que a Líbia estivesse como está hoje quando exibiu a arma. "Estou muito triste. É muito mau ver líbios a matar líbios. Toda a gente quer ser o Kadhafi", contou ao jornalista, que acabava assim a sua busca. "Por favor diz ao mundo que não fui eu quem matou Kadhafi", pediu, por fim, a Gatehouse.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG