45,1 graus. França bate recorde de calor numa Europa entre fogos e mortes

Portugal tem escapado à vaga de calor que está a atingir a Europa Ocidental, com recordes de temperaturas a serem batidos não só em França, mas também em Espanha, na Alemanha ou na Grécia.

44,1 graus. Era este o recorde de temperatura em França que esta sexta-feira foi batido. Os termómetros chegaram aos 45,1 graus em Villevieille, no Sul do país. O país é um dos mais atingidos por uma vaga de calor que está a afetar toda a Europa Ocidental, exceção feita para Portugal.

A vaga de calor de 2003, quando se registaram os tais 44,1 graus, causou milhares de mortos em França. Desta vez, e ao quinto dia de calor extremo as temperaturas já ultrapassaram os 40 graus e o serviço de meteorologia francês colocou em alerta vermelho quatro zonas no sul do país: Gard, Vaucluse, Hérault e Bouches-du-Rhône. Em algumas delas já se esperava que os termómetros chegassem aos 45 graus.

"45,1 graus em Villevieille às 15:00, primeira vez que os 45 graus são ultrapassados em França", escreveu no Twitter o meteorologista Etienne Kapikian, horas depois de Carpentras, no Vaucluse, ter batido o recorde de 2003 ao chegar aos 44,3 graus durante a manhã.

Nas zonas mais atingidas, mais de 4000 escolas encerraram e Etienne Baudu, presidente da Câmara de Carpentras, onde a temperatura ultrapassou os 43 graus sendo a primeira a bater o recorde de 2003, explicou estarem a acompanhar as pessoas mais vulneráveis. O resto do país está em alerta laranja devido ao calor. E as autoridades já começaram a restringir o acesso à água.

Falta de água na Alemanha, dois mortos em Espanha

Mas a vaga de calor está a causar distúrbios em vários países. Nas Alemanha, em cidades como Löhne e Bad Oeynhausen, a água está a ser racionada. Quem desperdiçar água sem ser por motivos "vitais" terá de pagar uma multa de 1000 euros.

Em Espanha, os bombeiros catalães continuam a combater um violento incêndio. "É preciso recuar 20 anos para nos lembrarmos de um fogo assim", explicou o chefe dos bombeiros, Antonio Ramos.

Foi também em Espanha, mas em Córdova, na Andaluzia, que um jovem de 17 anos morreu esta sexta-feira, devido a um golpe de calor que sofreu quando estava a trabalhar no campo, revelou a autoridade nacional de saúde de Andaluzia. O rapaz começou a sentir-se mal e entrou numa piscina para se refrescar e ao sair começou a ter convulsões.

Residente na província de Castro del Rio, o jovem deu ainda entrada no Hospital Sofia de Córdoba às 12.00 de quinta-feira (11.00 de Lisboa) e acabou por morrer esta madrugada às 1.25 (00.25 de Lisboa), após ter sido submetido a uma cirurgia.

A segunda vítima mortal foi um homem de 93 anos, que desmaiou na noite de quinta-feira no centro de Valladolid, acabando por morrer "por causa de insolação", indicou a polícia local à France-Presse.

Na quinta-feira, um homem de 45 anos foi internado no Hospital de Múrcia também devido ao calor, encontrando-se em estado grave.

A onda de calor que está afetar vários países da Europa tem provocado incêndios, encerramento de escolas, aumento da poluição e algumas mortes por choque térmico. Como em Milão, onde um sem-abrigo de 72 anos foi encontrado morto perto da estação central de comboios, vítima do calor. Em França, a morte de três pessoas nas praias do sul foi associada a choque térmico.

Na Grécia, as autoridades estão em alerta máximo devido ao risco de incêndio, um ano depois do fogo de Matu ter feito uma centena de mortos.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG