"Ser um camaleão é o que faz este trabalho ser tão divertido"

Depois de "The Killing", Mireille Enos protagoniza "The Catch", produzida por Shonda Rhimes e que se estreia no dia 6, no AXN

Pode uma bem-sucedida investigadora privada ser enganada pela pessoa em quem mais confia? É essa a premissa de The Catch, série que mistura thriller, comédia e romance. A trama protagonizada por Mireille Enos (que se tornou conhecida do grande público na série The Killing) e Peter Krause (das séries Parenthood e Sete Palmos de Terra) é produzida por Shonda Rhimes, responsável por séries de êxito mundial como Anatomia de Grey, Clínica Privada, Scandal e Como Defender Um Assassino.

Em entrevista exclusiva ao DN, em Londres, Mireilles Enos afiança que o principal atrativo da série é intemporal. "Acho que as pessoas adoram uma história de amor. Desde sempre. E se for uma história de amor problemática, ainda melhor. As histórias de amantes que não podem ficar juntos são tão antigas como Romeu e Julieta", diz a atriz norte-americana de 40 anos.

Enos já havia confessado, em entrevista a Ellen DeGeneres, que antes de ter conseguido o papel de protagonista em The Catch nunca tinha visto uma série de Shonda Rhimes. Ao DN, elogia o talento daquela que é a mais influente produtora de ficção televisiva da atualidade. "É uma fórmula que é amada e funciona muito bem a todos os níveis. Shonda Rhimes tem um público impressionante, é uma mulher incrivelmente inteligente, muito boa naquilo que faz". Mireille explica também que, ao tornar-se parte de um universo de Rhimes, ficou a conhecer uma série de regras "interessantes". "Ela disse ao Allan Heinberg (produtor executivo da série) que "na Shondaland os homens não salvam as mulheres". Uau, é uma regra muito interessante! E as pessoas podem salvar pessoas, se removermos a questão de género? Temos tentado caminhar nessa linha", diz a atriz, que dá vida à investigadora privada Alice Vaughn.

Em The Catch, a personagem de Mireille Enos vive um romance aparentemente perfeito com Benjamin Jones (Peter Krause). É pedida em casamento mas descobre que o noivo, que dizia ser empresário, é na verdade um criminoso que lhe roubou milhões de dólares e desapareceu sem deixar rasto. Enganada, duplamente traída, Alice Vaughn (e a sua equipa) tem como missão encontrar Benjamin. Mas irá Alice mover-se por amor ou por vingança? "Será uma dança constante entre os dois impulsos. É problemático, porque ela foi enganada uma vez e não quer sofrer isso novamente. Mas, por outro lado, o seu instinto diz-lhe que há ali algo que vale a pena salvar. Por isso está sempre a tentar encontrar um equilíbrio entre estas duas crenças."

Nos Estados Unidos, a série já foi exibida na ABC e, apesar das audiências terem ficado aquém do esperado, uma segunda temporada já está assegurada. Tal como The Killing (coprotagonizado por Mireilles Enos e Joel Kinnaman, agora a fazer sucesso no grande ecrã, em Suicide Squad), que teve um percurso atribulado de sucessivos cancelamentos e retomas (a última temporada foi produzida pela Netflix), também The Catch teve um arranque atribulado.

Peter Krause não foi o primeiro ator escolhido para protagonizar a trama. No episódio-piloto, é Damon Dayoub quem dá vida a Benjamin. A ABC não terá gostado do resultado final e foram feitas alterações no elenco. Nada que tire o sono a Mireille Enos, que tem como prioridade máxima o seu compromisso com a representação. Questionada sobre a responsabilidade de encabeçar, à semelhança de atrizes como Viola Davis, Kerry Washington e Ellen Pompeo, séries de Shonda Rhimes, Enos é perentória. "A minha responsabilidade, cada vez que faço um trabalho, é representar aquela pessoa da forma mais rica que consigo. Sinto responsabilidade para com a história e para com a Alice."

Os fãs do sombrio The Killing e da detetive Sarah Linden, sempre sem maquilhagem e com roupas volumosas, terão dificuldade em reconhecer Mireilles Enos em The Catch. Os vestidos de alta-costura, as pestanas falsas e os saltos vertiginosos fazem parte, garante a atriz, do processo de construção da personagem. "Sempre fui descobrindo mais sobre as personagens durante o processo de escolha dos seus guarda-roupa. Aconteceu o mesmo com a Alice. Ser um camaleão é o que faz este trabalho tão divertido", garante, acrescentando: "Claro que há dias em que me apetece atirar os sapatos de salto alto pela janela, mas de uma forma geral tem sido muito divertido interpretar alguém que não está a brincar às Barbies. Está a ser ela mesma."

The Catch estreia-se esta terça-feira no AXN, às 22.15, com a exibição de um episódio duplo.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG