Morreu o jornalista Carlos Santos Pereira

Colaborador do Diário de Notícias tinha 70 anos. Era especialista em temas da Europa de Leste.

Morreu este domingo, aos 70 anos, o jornalista Carlos Santos Pereira, que era colaborador do DN, função que já tinha desempenhado durante a década de 1990.

Autor do livro Da Jugoslávia à Jugoslávia, era especialista em temas da Europa de Leste e Rússia, tendo estado presente em trabalho na Guerra da Jugoslávia.

Carlos Santos Pereira era natural de Lisboa e licenciado em História pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Além de antigo colaborador do DN, foi jornalista no Público (um dos jornalistas fundadores), no Expresso e na RTP. Deu também aulas na licenciatura de Comuinicação Social no Instituto Politécnico de Tomar.

Para o nosso jornal, escreveu em abril o artigo O atoleiro afegão: de Gorbachev a Biden.

"O Carlos Santos Pereira era um grande jornalista, completo. Um repórter no terreno, sem medo das guerras, mas também alguém capaz de explicar a geopolítica dos conflitos. Conheci-o nos anos 1990 no DN a escrever sobre a guerra na antiga Jugoslávia, ele que conhecia muito bem toda a Europa de Leste. Era já um nome consagrado do Expresso, do Público e da RTP quando começou a escrever para o nosso jornal, no tempo do Mário Bettencourt Resendes diretor e do Albano Matos como editor do Internacional. No ano passado, desafiei-o a voltar a colaborar connosco, a assinar artigos de maior complexidade. O último no DN foi sobre o atoleiro afegão de Gorbachev a Biden. Quem quiser conhecer melhor este jornalista enorme leia o livro "Da Jugoslávia à Jugoslávia", publicado há uns 25 anos", lembrou Leonídio Paulo Ferreira, diretor adjunto do DN.

"O País perde um dos seus grandes e mais destemidos repórteres e o jornalismo perde um dos seus mais rigorosos profissionais", disse, em comunicado, a ministra da Cultura, Graça Fonseca.

Notícia atualizada às 09:37 com comunicado do Ministério da Cultura.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG