Morreu o fundador da revista Playboy. Hugh Hefner tinha 91 anos

O fundador da revista Playboy, Hugh Hefner, morreu na quarta-feira à noite, aos 91 anos, em casa, a Mansão Playboy em Los Angeles, nos Estados Unidos, informou a empresa.

De acordo com um comunicado divulgado pela revista, Hefner morreu de causas naturais, rodeado pela família na mansão da Playboy, em Los Angeles.

Nascido em Chicago, em 1926, Hefner fundou a Playboy em 1953 depois de os executivos da revista Esquire lhe terem negado um aumento de cinco dólares no salário.

Tudo começou, lembra o comunicado, na mesa da cozinha, há 64 anos. Desde então, a Playboy tornou-se uma das marcas mais reconhecidas em todo o mundo, sendo vendida em mais de 20 países e com produtos associados à marca a alcançarem um volume de negócios superior a 20 mil milhões de dólares anuais. Nos tempos áureos a publicação chegou a vender sete milhões de exemplares por mês.

"O meu pai viveu uma vida excecional e impactante como pioneiro a nível dos media e a nível cultural, sendo uma voz de liderança por trás de alguns dos movimentos sociais e culturais do nosso tempo, na defesa da liberdade de expressão, dos direitos civis e da liberdade sexual", realçou o filho, Cooper Hefner, diretor criativo da Playboy Enterprises. "Muitos sentirão a sua falta", acrescentou, referindo especificamente a mulher de Hefner, Crystal, e os três irmãos.

A primeira edição da Playboy incluía uma sessão fotográfica de Marilyn Monroe nua, feita originalmente para um calendário de 1049 e que foi comprada por Hefner por 200 dólares. Martin Luther King Jr., Fidel Castro e John Lennon foram algumas das personalidades entrevistadas para a Playboy.

Hugh Hefner, que mantinha uma espécie de harém na sua casa, onde viviam várias beldades, alegou ter dormido com mais de mil mulheres, mas casou-se três vezes, a última das quais em 2012, quando tinha 86 anos, com Crystal Harris, 60 anos mais nova. Nunca escondeu que o Viagra desempenhava um papel importante na sua vida.

"Nunca vou crescer", disse à CNN há nove anos. "Permanecer jovem é o mais importante para mim", acrescentou, explicando que desde que as mulheres entendessem, tal como ele, que a idade não importa, tudo estava bem.

O fundador do império Playboy morreu na famosa Mansão de Los Angeles onde viveu, trabalhou e fez das festas mais badaladas. Tinha-a vendido há cerca de um ano por 100 milhões de dólares (cerca de 88 milhões de euros), mas o contrato incluía uma cláusula que lhe permitia lá viver até morrer.

A Playbou prestou uma homenagem ao criador no Twitter publicando uma fotografia do homem de roupão com a frase "a vida é demasiado curta para viver os sonhos de outras pessoas".

Mais Notícias

Outras Notícias GMG