Filho de Hugh Hefner sente-se "excluído" da nova "Playboy"

Cooper acredita que é um grande erro a revista deixar de publicar fotografias de nu integral

A edição de fevereiro da Playboy norte-americana foi a primeira a adotar a nova política da empresa, de não publicar fotografias de mulheres completamente nuas. O filho mais novo do magnata Hugh Hefner, Cooper, apontado como seu sucessor, revela agora, numa entrevista ao Business Insider, que não concorda com a estratégia da empresa e que, desde que manifestou a sua opinião, foi afastado das reuniões da direção.

"Fui basicamente convidado a não participar mais nas reuniões, porque não concordava com a visão dele [Scott Flanders, CEO] para a empresa", começa por avançar Cooper Hefner. "Não concordo porque acho que os millenials não veem a nudez como o problema, mas sim a forma como a nudez e as raparigas eram retratadas".

A Playboy anunciou, em outubro do ano passado, a decisão de retirar imagens de nu integral das suas páginas. E em janeiro, a famosa Mansão das Coelhinhas, em Los Angeles, foi colocada à venda por 183 milhões de euros. Outra medida que o filho de Hugh Hefner não apoia.

"Eu não percebo a lógica. Percebo a lógica financeira, de querer ter dinheiro disponível para investir noutros aspetos, mas a minha preocupação é certificar-me que haverá uma empresa de que as pessoas gostam daqui a 15 anos. A Playboy, e especificamente a Mansão, é uma das mais famosas residências do mundo e representa a marca. Retirar isso, é devastador", lamenta.

Cooper Hefner revela ainda que, atualmente, apesar de manter a sua posição, participa "muito pouco" e não tem "capacidades ao nível criativo ou executivo". E conclui: "Acho justo dizer que fui realmente excluído".

Mais Notícias

Outras Notícias GMG